Celebridades

Keira Knightley proibiu a filha de 3 anos de ver a “Cinderela” e “A Pequena Sereia”. Não é a única atriz a boicotar alguns filmes da Disney

869

A forma como as mulheres são retratadas em alguns filmes da Disney incomoda a atriz inglesa. Cinderela, por exemplo, "fica à espera que um rico a salve". Kristen Bell sente o mesmo.

Keira Knightley foi Elizabeth Swann na saga "Pirata das Caraíbas"

© Studio / Produzent

As discussões sobre as relações de poder entre homens e mulheres, assim como os abusos de poder e casos de assédio sexual denunciados por mulheres no movimento #Metoo, têm sensibilizado algumas pessoas sobre a educação que dão aos seus filhos. Só esta semana, duas atrizes de Hollywood, Keira Knightley e Kristen Bell, pronunciaram-se sobre o sexismo que encontram em alguns filmes antigos da Disney, que não querem que seja absorvido pelas crianças.

Em entrevista à apresentadora Ellen DeGeneres, a atriz britânica de 33 anos Keira Knightley, que teve alguns dos seus grandes papéis precisamente em filmes da Walt Disney (por exemplo, os da saga “Pirata das Caraíbas”) e que protagoniza um novo filme da produtora que se estreará nas salas de cinema norte-americanas e também portuguesas no início de novembro (“O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos”), defendeu alguns dos filmes da Disney mas apontou o dedo a outros clássicos.

Keira Knightley revelou por exemplo que não permite que a sua filha de 3 anos, Edie Knightley Righton, veja filmes como “Cinderela” e “A Pequena Sereia”. A protagonista do primeiro, um filme clássico da Disney de 1950, que já teve outras versões, “fica à espera que um tipo rico a salve. Não pode ser! Salva-te a ti mesma, obviamente!”, apontou a atriz britânica. Já com a primeira versão da Disney de “A Pequena Sereia”, de 1989, o problema de Keira Knightley é outro:

As canções são ótimas, mas não entregues a tua voz por causa de um homem. Vá lá! Fico um bocado chateada com [boicotar] esse filme porque adoro-o, realmente. Adoro ‘A Pequena Sereia’! É uma decisão um bocado complicada, mas mantenho-a!”, explicou.

Para Keira Knightley, os filmes recentes da Walt Disney são os que têm representações mais adequadas de mulheres e menos sexismo implícito na relação entre as personagens. Filmes como “À Procura de Dory”, “um grande favorito” da atriz a que a sua entrevistadora Ellen DeGeneres dá voz, “Frozen: O Reino do Gelo” (“imenso”) e “Vaiana” (“sem problema algum”) são aqueles que Keira Knightley deixa a filha de três anos ver.

Além de ter filmado “O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos”, que começará a ser exibido nos cinemas dentro de duas semanas, a atriz britânica está a rodar um filme chamada “Colette”, sobre a romancista, atriz e jornalista francesa homónima que viveu entre 1873 e 1954. Nomeada para o prémio Nobel da Literatura seis anos antes da sua morte, Colette, que a atriz interpretará nesta ficção biográfica e cinematográfica, começou por publicar os primeiros romances com o nome do marido, Henry Gauthier-Villars, forçada por este.

A pedagogia de Kristen Bell quando vê “A Branca de Neve”

Quando vê “A Branca de Neve e os Sete Anões” com as suas duas filhas, Lincoln e Delta, respetivamente de cinco e três anos de idade, a atriz que deu voz a Anna em “Frozen: o Reino do Gelo”, protagonizou “Veronica Mars” e entrou em “Um Desastre de Artista”, do cineasta e realizador já acusado por mulheres de assédio sexual James Franco, tem trabalho extra. Kristen Bell afirmou em entrevista à revista sobre educação Parenting Magazine que tem de recorrer à conversa e crítica pedagógica para que as filhas não fiquem com a impressão errada das relações entre homens e mulheres ao ver este clássico da Disney. A forma como o filme pode dar às filhas uma impressão errada sobre interações com estranhos também é uma preocupação para Kristen Bell.

Cada vez que acaba o filme, olho para as minhas miúdas e pergunto-lhes: não acham estranho que a Branca de Neve não tenha perguntado à bruxa velha porque é que tinha de comer a maçã? Ou onde é que foi buscar a maçã?”, contou, explicando que lhes reafirma que não devem aceitar comida ou bebida de estranhos.

Há outra questão que Kristen Bell lhes coloca, segundo revelou: “Não acham estranho que o príncipe beije a Branca de Neve sem a permissão dela?”. Tudo porque, faz questão de detalhar a atriz às suas filhas, “não se pode beijar alguém que esteja a dormir!”.

A atriz Kristen Bell

Só este ano, a Walt Disney Pictures já lançou três filmes para as salas de cinema: “Uma Viagem no Tempo”, realizado por Ava DuVernay e com Reese Witherspoon e Oprah Winfrey no elenco; “The Incredibles 2: Os Super-Heróis”,  com vozes de Craig T. Nelson e Holly Hunter; e “Christopher Robin”, dirigido pelo cineasta Marc Forster e com participações dos atores Ewan McGregor, Hayley Atwell e Bronte Carmichael.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)