Rádio Observador

Audi

e-tron enfrenta problemas. Não sai quando previsto

Parece que produzir eléctricos é uma missão mais propensa a atrasos do que ao cumprimento de prazos. Agora é a vez de a Audi ter de resolver problemas, apesar de o seu SUV já estar a ser fabricado.

A corrida aos eléctricos nem sempre se faz a passo acelerado, sendo a Tesla o melhor exemplo disso, com sistemáticos desvios na chegada dos seus novos produtos ao mercado, seja na data ou no volume previstos. Mas a entrada dos construtores tradicionais neste mercado permitiu mostrar que a companhia norte-americana está longe de ser caso único, no que toca à derrapagem dos prazos. Depois de a Volkswagen ter atirado lá mais a frente a chegada do seu primeiro eléctrico da nova vaga – o I.D. Neo – ao mercado, agora é a vez de a Audi ‘impor’ aos clientes que já reservaram o e-tron um tempo de espera maior do que o originalmente prometido.

Apresentado em meados do mês de Setembro, o primeiro SUV 100% eléctrico do construtor de Ingolstadt deveria chegar a alguns mercados ainda antes do final deste ano, o que permitiria à Audi adiantar-se à sua rival Mercedes, cujo EQC só começará a ser fabricado algures no decorrer do próximo ano. Porém, a marca dos quatro anéis ter-se-á deparado com problemas, com o Bild am Sonntag a avançar que a resolução dos mesmos poderá tardar meses.

Quanto tempo ao certo ainda não se sabe, pois o fabricante fala de “apenas quatro semanas”, embora o jornal alemão tenha uma estimativa menos optimista, no que se apoia em informações veiculadas por fontes conhecedoras do processo. Certo é que a produção do SUV eléctrico da Audi já arrancou em Ghent, Bélgica, mas alegados problemas de software adiam a sua chegada ao mercado. Não são especificados que problemas – em concreto – são esses, falando-se apenas de uma actualização, com um porta-voz da marca a explicar à Reuters que é necessária a aprovação das entidades reguladoras para poder usar software que foi modificado durante o processo de desenvolvimento do modelo.

Convém, no entanto, ter presente que uma actualização de software “menor” é algo que se faz com relativa facilidade, podendo inclusivamente realizar-se nos próprios concessionários da marca, o que não daria azo a atrasos. Para se ter uma ideia de como esta tarefa não é, por regra, complicada, basta lembrar que a Tesla inaugurou a “moda” das actualizações over-the-air, em que são os próprios clientes a fazerem o update do software.

De referir, ainda, que o Bild relata dificuldades nas negociações com a LG Chem, que fornece as baterias para o e-tron e para uma série de outros modelos do grupo VW. Com a elevada procura, a companhia sul-coreana quer cobrar mais 10% pelo seu produto, o que pode representar uma fatia a menos nas margens de lucro, tanto mais que a bateria é a peça mais cara de um veículo deste tipo. A Audi não confirma, mas também não desmente. Simplesmente recusa-se a comentar.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)