805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Audi R8 despediu-se. Adeus para sempre ou até já?

Há muito que a Audi lançou a semente da saudade ao anunciar que iria cessar a produção do R8. A última unidade do superdesportivo alemão saiu da linha de montagem, mas resta uma réstia de esperança.

18 fotos

Sabia-se, já desde 2019, que o Audi R8 tinha os dias contados e a hora da despedida chegou agora com a saída da última unidade da linha de produção Böllinger Höfe, em Heilbronn, na Alemanha.

O último exemplar do coupé alemão não conseguirá passar despercebido, seja pelo facto de se apresentar num vistoso amarelo “Vegas”, seja por reforçar o seu carácter desportivo com um pack exterior em fibra de carbono ou, simplesmente, por entoar a melodia do V10 a gasolina de origem Lamborghini, montado em posição central e a passar às quatro rodas uma potência máxima de 620 cv às 8000 rpm e 580 Nm de binário às 6600 rpm.

Capaz de alcançar uma velocidade máxima de 331 km/h, depois de ultrapassar a barreira dos 100 km/h ao fim de apenas 3,1 segundos, o R8 foi condenado não pela performance, nem pelo consumo (os 12,9l/100 km em ciclo misto WLTP não são um contra para quem desembolsa à volta de 200.000€), mas sim pelas emissões (293g de CO2/km), pelo facto de a marca estar apontada à plena electrificação da sua gama e, sobretudo, porque as vendas do R8 há já algum tempo que faziam prever o último suspiro.

Audi R8 já devia estar morto, mas a produção continua

A primeira geração do dois lugares alemão foi introduzida em 2007 e no ano seguinte registou a entrega de 5016 unidades, proeza que não mais se voltou a repetir, com as vendas anuais a caírem gradualmente desde então. Curiosamente, com a aproximação da descontinuação da produção do R8, a procura recuperou em parte o fôlego. Em 2023, as vendas subiram para 1591 unidades, o que representou uma subida de 49% face aos números de 2022.

Sebastian Grams é o responsável máximo da Audi Sport desde Março de 2021

Em 2024, três meses depois do que era previsto, o R8 sai de cena. Definitivamente, como uma proposta animada com um motor de combustão, ficando a dúvida se a designação terá nova vida com alma eléctrica. Essa porta ficou como que entreaberta depois do director-geral da Audi Sport, Sebastian Grams ter reconhecido sentir uma certa “pontada de arrependimento” com o fim do R8. Porém, como o próprio sublinhou, a Audi Sport cresceu porque nunca parou de evoluir. “Mais do que nunca, a ênfase no futuro estará na criação de modelos de elevado desempenho, através da fusão de hardware e software, bem como de experiências analógicas e digitais”, defende. Por outras palavras, se o R8 regressar será a bateria e tirando partido, através da Porsche, da tecnologia desenvolvida pelos croatas da Rimac que agora controlam a Bugatti.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO