Web Summit

Presidente da Shell pede desculpa na Web Summit pelos “erros” da indústria petrolífera

Ben van Beurden pediu desculpa pelo escândalo das reservas da Shell. Pediu confiança nele para resolver alterações climáticas. E disse que a indústria petrolífera é acusada de arrogância.

AFP/Getty Images

Ben van Beurden, o presidente da petrolífera Shell, pediu desculpa por a empresa ter sobrestimado as reservas da empresa em 20% em 2004: “Alguns executivos mentiram sobre as reservas que tínhamos, eram menos do que eles diziam. Percebemos o mal que fizemos. E percebemos que não estávamos a fazer o essencial bem. Porque a confiança é essencial e básica. Fizemos mal às pessoas e ao ambiente”.

O empresário atacou o elefante na sala durante a conferência que protagonizou no palco principal da Web Summit. E afirmou que a empresa teve de “pedir desculpa, aprender com os erros e remendar os estragos”, mas que ainda tem um longo caminho pela frente:

Ainda estamos a digerir as lições de 2004. Continuamos a fazer erros e continuamos a ter de aprender”. Mas pediu que os consumidores confiassem nele: “Acho que toda a gente pode fazer mais para conquistar a confiança das outras pessoas. A minha empresa também”.

Os erros da Shell foram o assunto em que Ben van Beurden mais insistiu ao longo da intervenção de 20 minutos, principalmente no que toca aos problemas climáticos. O presidente admitiu que as empresas da indústria petrolífera são das maiores responsáveis pelas alterações climáticas à conta da exploração dos combustíveis fósseis, Mas também apontou o dedo ao consumidor.

Os nossos produtos são utilizados pela sociedade. Das cadeiras em que estão sentados aos vossos telefones, todos eles dependem de energia. Como a energia, os benefícios da tecnológicas são dados como garantidos. Não quer dizer que temos de nos apaixonar pelos nossos produtos. No meu sector temos de admitir que os nossos produtos produzem emissões de carbono poluentes. Temos de assumir isso”, afirmou.

Apesar do Mea culpa, Ben van Beurden também suavizou a posição das petrolíferas ao afirmar que a Shell “paga imenso em impostos e emprega inúmeras pessoas”. Contudo, reiterou: “Temos de fazer mais. Até 2030 vamos dar energia limpa em África e noutras regiões. E vamos fazer isso como um negócio. Só assim é que isto vai funcionar”. Depois, comparou a indústria do petróleo à das novas tecnologias:

A resposta para resolver isto é funcionar responsavelmente e falar com a sociedade para melhorar o uso dos nosso produtos. No vosso caso, da indústria tecnológica, os problemas podem ser trolling ou abuso de dados. Mas a solução é a mesma. Falar com a sociedade”.

Ben van Beurdem disse estar empenhado em que a Shell corrija os erros que fez no passado: “Os erros são feitos. Mas também se reparam os erros que se causou. A nossa indústria foi sempre acusada de arrogância, da mesma maneira que indústria tecnológica o é. Ajam sempre com humildade”.

O presidente da Shell garantiu que a empresa quer “contribuir plenamente para o bem da sociedade “: “As pessoas não confiam naturalmente, por isso temos de mostrar o mais que conseguirmos que elas podem fazê-lo. Já não bastava publicar números e dizer que estamos a fazer o bem. É preciso realmente fazer o bem. A transparência dá às pessoas toda a informação que elas precisam para decidir o que a empresa está a fazer de certo e errado. Confiem em mim”, pediu.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)