A notícia foi avançada pelo tabloide britânico Daily Mail. Há mais uma assistente de Harry e Meghan de saída da Casa Real Britânica, o terceiro membro da equipa que assessora a família a desocupar o cargo desde maio, mês em que o filho mais novo do príncipe Carlos e a atriz norte-americana deram o nó. Uma fonte do Palácio de Kensington identifica a assistente em questão como Melissa. “É um verdadeiro choque, porque é que ela quereria deixar um emprego tão prestigiante tão depressa?”, terá afirmado a mesma fonte ao jornal britânico.

Descrita como “talentosa” e como tendo desempenhado “um papel primordial no sucesso do casamento real”, nomeadamente na preparação da cerimónia e na gestão do escândalo em torno da ausência do pai da atriz, Melissa é a terceira assessora em contacto direto com o casal a deixar o seu emprego nos últimos seis meses. “Perder um membro da casa pode acontecer a qualquer um. Perder três em poucos meses começa a parecer uma debandada”, afirmou um outro assistente do palácio, ainda em funções. O porta-voz do Palácio de Kensington recusou prestar declarações.

A 14 de junho deste ano, Samantha Cohen apareceu pela última vez na companhia da família real. É a mulher que surge na fila de trás, entre a duquesa de Sussex e a Rainha © Jeff J Mitchell/Getty Images

Antes de Melissa foi a australiana Samantha Cohen a deixar o lugar vago. Secretária particular do casal, Samantha, de 49 anos, teve um papel especialmente importante na preparação de Meghan para a sua entrada na família real britânica no início do ano, após ter sido nomeada para a tarefa pela própria Rainha. Trabalhava como assistente da realeza há 17 anos, foi fotografada pela última vez com Meghan e com a Rainha no dia 14 de junho. No palácio, Samantha Cohen era conhecida como “A Pantera”, devido a um temperamento, alegadamente, pouco amistoso.

O último verão coincidiu ainda com a partida de um outro assistente. Edward Lane Fox, antigo membro do exército, havia iniciado funções como assistente de Harry em 2003, quando o príncipe tinha apenas 19 anos. Durante mais de uma década, foi frequente ver Fox ao lado de Harry em várias ocasiões e momentos, públicos e não só. Era visto como o braço direito do príncipe. Enquanto assistente de um membro da família real britânica, cargo cobiçado por muitos, a lista de tarefas desdobra-se entre organizar horários, planificar a agenda oficial e as viagens, gerir a correspondência e dar o apoio necessário em todas as visitas oficiais.

Com três assistentes a deixarem o Palácio de Kensington num período de apenas seis meses, é inevitável questionar se se trata, realmente de uma coincidência, ou se é o temperamento do novo membro da família, Meghan Markle, a afugentar a equipa. Os preparativos do casamento, que decorreu em Windsor, no dia 19 de maio, são o principal elo de ligação entre os três assistentes. No livro Charles at Seventy: Thoughts, Hopes and Dreams, o biógrafo real Robert Jobson descreve o período que antecedeu a boda como stressante, referindo que Harry se terá comportado de modo “petulante” e “mal-humorado” com os membros da sua equipa. “O que a Meghan quer, ela tem”, terá exclamado num tom de voz elevado.

Por sua vez, Meghan Markle é descrita como “picuinhas”, severa com a gestão do seu tempo e com as suas prioridades e determinada. Pelo menos, foi assim que Gina Nelthorpe-Cowne, antiga agente da atriz, a descreveu antes do casamento.