Rádio Observador

Astronomia

Descoberta super-Terra a orbitar a Estrela de Barnard, a estrela individual mais próxima do Sol

O novo candidato a exoplaneta deverá ser, no entanto, um "mundo gelado e sombrio" que pode ter uma temperatura de -170º C, o que torna pouco viável a vida humana tal como a conhecemos.

Este é o segundo exoplaneta conhecido que se localiza mais próximo da Terra: a apenas seis anos-luz de distância do nosso planeta.

ESO/M. Kornmesser

Foi descoberta uma super-Terra (fora do sistema solar) com pelo menos 3,2 massas terrestres em órbita da Estrela de Barnard, a anã vermelha que mais depressa se desloca no céu noturno e a estrela individual que se encontra mais perto do Sol. Este é o segundo exoplaneta conhecido que se localiza mais próximo da Terra: a apenas seis anos-luz de distância do nosso planeta. A descoberta deste “mundo gelado e fracamente iluminado” foi publicada na revista Nature e resultou das campanhas Pontos Vermelhos e CARMENES, que procuram planetas rochosos próximos.

Através de vários telescópios e de outros instrumentos de alta precisão, incluindo o instrumento caçador de planetas HARPS, desenvolvido pelo Observatório Europeu do Sul, os investigadores descobriram que o exoplaneta orbita a sua estrela 0,4 vezes mais próximo de que a Terra orbita o Sol. No entanto, como se situa perto da linha de neve, a região onde compostos voláteis como a água podem condensar-se em gelo, este “mundo gelado e sombrio pode ter uma temperatura de -170º C, o que o tornaria hostil para a vida tal como a conhecemos”, lê-se no comunicado do observatório. Além de frio, o candidato a exoplaneta é pouco iluminado: a luz lhe lhe é dada pela Estrela de Barnard corresponde a apenas 2% da energia que a Terra recebe do Sol.

Segundo os dados da investigação, um ano neste exoplaneta, denominado de Estrela de Barnard b, corresponde a um período de cerca de 233 dias na Terra. “Após uma análise cuidada, estamos 99% confiantes de que o planeta é real”, afirmou o cientista líder da equipa, Ignasi Ribas (Instituto de Estudos Espaciais da Catalunha e Instituto de Ciências Espaciais, CSIC, Espanha). “No entanto, continuaremos a observar esta estrela rápida para excluir possíveis, mas improváveis, variações naturais do brilho estelar que poderiam ser confundidas com um planeta”, acrescentou, citado em comunicado.

As super-Terras são o tipo mais comum de planeta que se forma em torno de estrelas de pequena massa, como a Estrela de Bernard e, segundo várias teorias, têm na linha de neve o local mais favorável à sua formação.

O HARPS [caçador de planetas] desempenhou um papel vital neste projeto. Combinámos dados de arquivo de outras equipas com medições novas da Estrela de Barnard obtidas por diferentes infraestruturas,” comentou Guillem Anglada-Escudé (Queen Mary University of London), cientista que co-liderou a equipa.

E de que forma os astrónomos encontraram a super-Terra? Através do método da velocidade radial, com o chamado efeito Doppler, utilizado para medir as variações na velocidade da estrela, devido à existência de um planeta na sua órbita. À medida que o planeta orbita a estrela, a sua atração gravitacional faz com que essa mesma estrela também oscile, ainda que ligeiramente: quando se afasta da Terra, o seu espectro desvia-se mais para o vermelho (maiores comprimentos de onda), mas quando se aproxima da Terra, a sua luz é desviada para os azuis (comprimentos de onda menores). Se essas mudanças se verificarem de forma periódica, então significa que algo está regularmente a provocar alterações nos movimentos da estrela. Esse “algo” é um planeta.

Para esta descoberta foram feitas 771 medições ao longo de 20 anos, através de sete instrumentos diferentes, “o que faz desta a maior e mais extensa base de dados alguma vez utilizada no estudo de velocidades radiais muito precisas”, acrescentou Ignasi Ribas.

(Artigo atualizado às 18h48)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)