Motociclismo

Miguel Oliveira quer despedir-se de Moto2 com título mundial de equipas

Esta será a última prova do português pela Red Bull KTM Ajo que espera garantir o cetro antes de subir à classe rainha do Mundial de motociclismo de velocidade.

AHMAD YUSNI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) afirmou esta quarta-feira que pretende despedir-se da categoria de Moto2 com a conquista do título mundial de equipas, no Grande Prémio da Comunidade Valenciana, que se disputa no domingo.

Esta vai ser a última prova do português pela Red Bull KTM Ajo e o piloto natural de Almada disse esperar garantir o cetro antes de subir à classe rainha do Mundial de motociclismo de velocidade.

“Todos sonham em competir no MotoGP. Espero desfrutar da prova de Valência e, acima de tudo, deixar a equipa com mais uma vitória. Este é um circuito que se adapta bem à KTM e à minha pilotagem. Vamos lutar por esta última vitória e pelo título de equipas no domingo”, garantiu o piloto de 23 anos, que já venceu esta prova por duas vezes, em 2015, em Moto3, e no ano passado, em Moto2.

Depois de assegurar o vice-campeonato mundial, Miguel Oliveira, a 32 pontos do italiano Francesco Bagnaia (Kalex), que se sagrou campeão na ronda anterior, na Malásia, há duas semanas, despede-se da equipa pela qual correu nas últimas quatro temporadas.

“É a minha última corrida com a família Red Bull KTM Ajo. Foram três anos incríveis. Por um lado, estou triste por deixar esta família, uma equipa que me deu tantas vitórias e tantos pódios. Por outro, estou entusiasmado por enfrentar uma nova categoria e um novo desafio”, sublinhou o piloto português, na antevisão da última prova do ano.

Antes da 19.ª e última prova do Mundial, a Red Bull KTM Ajo tem, neste momento, 22 pontos de vantagem sobre a Sky Racing Team VR46, de Bagnaia. Para este campeonato, pontuam os dois pilotos de cada equipa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)