Economia

Banco de Portugal aconselha “prudência” na aplicação de dividendos

O Banco de Portugal avisou que os bancos devem adotar políticas "prudentes" na aplicação dos seus resultados, de forma a garantir níveis adequados de resiliência a choques.

O Banco de Portugal divulgou esta quarta-feira o Relatório de Estabilidade Financeira de dezembro

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Banco de Portugal avisou esta quarta-feira que os bancos devem adotar políticas “prudentes” na aplicação dos seus resultados, nomeadamente no que se refere à distribuição de dividendos, de forma a garantir níveis adequados de resiliência a choques.

“No caso das empresas financeira e dos bancos é importante continuar a reforçar a capacidade de absorção de choques negativos através de níveis de capital adequados. Assim, é fundamental a adoção de políticas prudentes da aplicação de resultados gerados, em especial no que concerne à distribuição de dividendos”, refere o Banco de Portugal (BdP) no Relatório de Estabilidade Financeira de dezembro, esta quarta-feira divulgado.

No documento, o BdP reconhece a evolução favorável do sistema bancário, com a redução “significativa” dos empréstimos não produtivos (NPL), mas avisa que a melhoria “tem de continuar, tendo em conta as fontes de risco sistémico associadas à atual conjuntura internacional” e ao “agravamento da incerteza geopolítica e económica”.

É essencial a manutenção da atual trajetória de redução de ativos não produtivos e de reconhecimento de perdas nos ativos com menor probabilidade de serem recuperados, de acordo com os planos de redução de ativos não produtivos que foram submetidos às autoridades de supervisão”, refere.

As fintech também são identificadas no relatório do BdP como uma “fonte de risco” para os bancos, embora ainda não haja evidência no contexto europeu de materialização desse risco. O BdP considera que o investimento em infraestruturas tecnológicas deve ser prioritário para fazer face à potencial concorrência de empresas especializadas e reduzir os custos operacionais.

“As fintech podem alterar de forma significativa o relacionamento com o cliente de serviços financeiros e, neste contexto, torna-se essencial a salvaguarda de confiança no sistema financeiro”, refere o documento.

Desde 2016, segundo a instituição, observam-se progressos significativos na redução do stock de NPL e no aumento da sua cobertura por imparidades. Em junho de 2018, o rácio de NPL reduziu-se 3,6 pontos percentuais para 11,7% e o rácio de cobertura por imparidade aumentou 7,1 pontos percentuais para 52,9%, face aos valores de há um ano.

O aumento da solvabilidade dos principais bancos, a melhoria da atividade económica e a evolução dos preços do imobiliário têm criado um contexto favorável à redução dos ativos não produtivos”, refere.

Outro fator de vulnerabilidade do sistema bancário, sinaliza também, continua a ser a elevada concentração do sistema bancário português em determinadas classes de ativos, em particular a exposição a títulos de dívida pública, sobretudo doméstica (cerca de 9% do ativo total).

“No caso do setor segurador, a exposição ao soberano doméstico tem vindo a reduzir-se nos últimos anos, mas mantendo-se em percentagem do ativo num nível bastante superior ao do setor bancário”, segundo o BdP.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)