Rádio Observador

Tsunami

Tsunami na Indonésia causado por vulcão: número de mortos sobe para 373 mortos e mais de mil feridos

1.594

Morreram pelo menos 373 pessoas e mais de mil ficaram feridas por tsunami no estreito de Sunda, Indonésia. 430 edifícios e nove hotéis ficaram danificados. Atividade vulcânica na origem do desastre.

O tsunami foi causado por deslizes de terra subaquáticos, que ocorreram depois da erupção do vulcão Krakatoa

AFP/Getty Images

As autoridades indonésias subiram para 373 o número de vítimas mortais do tsunami que atingiu a Indonésia no sábado e que causou mais de mil feridos (1459) e 128 desaparecidos, de acordo com a Agência Nacional de Gestão de Desastres. O balanço de vítimas mortais e de feridos deverá continuar a crescer à medida que avançam as operações de resgate. Por enquanto, não há vítimas portuguesas a lamentar, avançou o secretário de Estado das Comunidades, embora salientando ser prematuro afastar essa hipótese.

As autoridades indonésias confundiram inicialmente o tsunami com uma maré crescente e chegaram a apelar à população para não entrar em pânico, noticiou a agência de notícias France-Presse. “Foi um erro, sentimos muito”, escreveu na rede social Twitter o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho.

A Agência Nacional de Gestão de Desastres da Indonésia alertou este domingo para a possibilidade de acontecer um novo tsunami na costa do Estreito de Sunda, entre as ilhas de Java e Sumatra.

O tsunami foi desencadeado por uma maré anormal associada a um deslizamento submarino causado pela erupção do vulcão Anak Krakatoa. O tsunami atingiu Lampung, Samatra, e as regiões de Serang e Pandeglang, em Java. De acordo com o The Jakarta Post, foi na região de Pandeglang, uma zona turística da Indonésia, que se verificaram mais estragos. Aquela zona abrange também o Parque Nacional de Ujung Kulon e várias praias populares, muito procuradas pelos turistas.

De acordo com as autoridades geológicas locais, o vulcão esteve em erupção durante 2 minutos e 12 segundos na sexta-feira.

A combinação causou um tsunami repentino que atingiu a costa”, avançou a Agência Nacional de Gestão de Desastres.

De acordo com a informação disponível no site do US Geological Survey, que regista todos os terramotos no globo, houve também quatro terramotos nas últimas 24 horas em quatro zonas diferentes da Indonésia:

  1. Bitung, 06h07 (hora de Lisboa). 4,6 na escala de Richter, a 66,9 quilómetros de profundidade;
  2. Lemito, 16h13. 4,5 na escala de Richter, 95 quilómetros de profundidade;
  3. Tiku, 21h46. 4,9 na escala de Richter, 81 quilómetros de profundidade;
  4. Saumlaki, 23h06. 4 na escala de Richter, 124 quilómetros de profundidade

Mapa do US Geological Survey, recolhido às 23h44 de 22 de dezembro

O tsunami aconteceu às 21h30 de Lisboa (4h30 locais), entre o segundo e o terceiro sismos registados este sábado.

Krakatoa, um vulcão que ganha 5 metros por ano

O vulcão Anak Krakatau, no Estreito de Sunda, que liga o Oceano Índico ao Mar de Java, tem 305 metros de altura e está localizado a cerca de 200 quilómetros a sudoeste da capital Jacarta, onde tem sido registada atividade desde junho. De resto, em julho, as autoridades ampliaram a proibição de acesso para um perímetro de dois quilómetros à volta da cratera.

O nome também é usado para o grupo de pequenas ilhotas à sua volta e que são os restos de uma ilha muito maior, de três picos vulcânicos, destruída numa erupção catastrófica em 1883.

Em 1927, uma nova ilha, a Anak Krakatau, ou “Criança de Krakatoa”, emergiu da caldeira formada em 1883. É ali que se localiza agora a principal atividade eruptiva. A formação já possui mais de 324 metros de altura, e a cada ano aumenta aproximadamente 5 metros.

No dia 26 de agosto de 1883, aconteceu a 2.ª erupção vulcânica mais fatal da História e a 6.ª maior erupção do mundo numa ilha maior que se partiu em várias, entre elas agora a da Krakatoa. Na altura, a sucessão de explosões durou um dia inteiro e terá feito mais de 36 mil mortos, segundo o Programa Global de Vulcanismo do Instituto Smithsonian.

A explosão atirou pedras a 27 km de altitude e o som da grande última explosão terá sido ouvida a cinco mil quilómetros, na ilha de Rodrigues. Os habitantes chegaram a pensar que estariam perante uma batalha naval. Houve outros relatos de pessoas que ouviram os fortes estrondos num raio de 15 km de distância, tendo mesmo ficado com problemas de audição. O barulho chegou também até à Austrália, Filipinas e Índia.

A maioria das vítimas morreu na sequência do tsunami e não pela erupção vulcânica que destruiu dois terços da ilha. As ondas atravessaram todo o oceano Índico e o Pacífico, chegando à costa oeste dos EUA e à América do Sul. Além da megadestruição, chegaram à costa blocos de corais de até 600 toneladas.

As ondas do tsunami foram sentidas até em Liverpool, na Inglaterra, em alguns territórios de África e no Canadá. De acordo com os registos climáticos e estudos recentes, a temperatura global do planeta baixou 1 ºC por causa da grande quantidade de gases e partículas que foram lançados na atmosfera.

Outros tsunamis

O pior tsunami na Indonésia aconteceu a 26 de dezembro de 2004 no norte de Samatra e causou cerca de 230 mil mortes numa dezena de países banhados pelo Oceano Índico, dos quais 168 mil em território indonésio.

A Indonésia é o quarto país em número de habitantes e também um dos mais castigados por desastres naturais.

A localização geográfica da Indonésia, no Anel de Fogo do Pacífico, e o número de vulcões ativos no país, mais de cem, tornam a nação propensa a grande atividade sísmica, que habitualmente passa despercebida à população.

Só este ano, a Indonésia registou 11 terramotos com vítimas mortais:

23 de janeiro: Um terramoto de magnitude 6 causa duas mortes e 41 feridos na ilha de Java.
18 de março: Um terramoto de magnitude 4,5 causa três mortes e 21 feridos também em Java.
21 de julho: Um terramoto de magnitude 5,2 causa um morto e dois feridos na ilha de Samatra.
29 de julho: Um terramoto de magnitude 6,4 causa 20 mortes e 401 feridos na ilha de Lombok.
05 de agosto: Um terramoto de magnitude 6,9 causa 513 mortos e 1.353 feridos em Lombok.
09 de agosto: Um terramoto de magnitude 5,9 causa seis mortos e 24 feridos em Lombok.
19 de agosto: Um terramoto de magnitude 6,3 deixa dois mortos e três feridos em Lombok.
19 de agosto: Um terramoto de magnitude 6,9 causa 14 mortes e 24 feridos em Lombok.
28 de setembro: Um terramoto de magnitude 7,5 causa 2.256 mortos e 10.679 feridos na ilha de Celebes.
10 de outubro: Um terramoto de magnitude 6 causa quatro mortos e 36 feridos em Java.
14 de novembro: Um terramoto de magnitude 5,6 causa sete mortos e seis feridos nas Celebes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)