Ensino Superior

Alunos da área de saúde têm melhores notas a Português do que os da Educação

380

Os alunos que vão para os cursos da área da Saúde têm uma melhor classificação média no exame nacional de Português do 12.º ano relativamente aos que seguem a área da Educação.

Os alunos com melhores médias no exame de Português vêm de escolas secundárias situadas nos distritos de Viseu, Viana do Castelo e Santarém

PAULO NOVAIS/LUSA

Os alunos que optam por seguir a área da Educação quando chegam ao ensino superior estão entre os que têm pior desempenho a Português, segundo indica um estudo da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC), avançado pelo Público, esta quinta-feira.

No ano letivo 2016/2017, os alunos que ingressaram em cursos de Educação, e que esperam eventualmente vir a ser professores um dia, tiveram uma classificação média de 10,2 valores no exame nacional de Português, contra aqueles que ingressaram em cursos da área da Saúde, como Medicina, cuja classificação média a Português se situou nos 12,4. Em último, ficaram os alunos que seguiram para cursos na área de Serviços.

Nas palavras da presidente da Associação de Professores de Português (APP), Filomena Viegas, esta não é nenhuma surpresa: “Esta era já uma leitura intuitiva que se fazia a partir das notas mínimas exigidas para determinados cursos e universidades”, na medida em que, se um aluno quiser ingressar no curso de Medicina, têm de obter resultados superiores em todas as disciplinas de forma a que a sua média seja igual ou superior à pedida, como explica a responsável, e não baixe por causa de apenas uma disciplina.

Além disso, a média de acesso a Medicina está à volta dos 18 valores, enquanto a dos cursos de Educação está nos 12 valores, sendo o exame de Português obrigatório para todos os alunos.

O estudo conclui também que as melhores classificações médias a Português correspondem aos cursos de Ciências e Tecnologias (12,2) e de Ciências Socioeconómicas (11,8) e não ao curso de Línguas e Humanidades do ensino secundário (11,1).

Outra conclusão que se pode tirar é relativa à tendência das raparigas em obter melhores resultados relativamente aos rapazes, cujas médias são de 11,7 e 11,1, respetivamente. Quanto à sua distribuição no território nacional, os alunos com melhores médias no exame de Português vêm de escolas secundárias situadas nos distritos de Viseu, Viana do Castelo e Santarém, sendo que os piores vêm de Castelo Branco, Faro e Açores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
763

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)