Greve

Delegados do Sindicato de magistrados do MP discutem Estatuto e modelo de greve

Em discussão vai estar o modelo de greve que os magistrados do MP vão realizar em fevereiro, nomeadamente as datas para a marcação da greve, que poderá vir a ser dilatada no tempo.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de meia centena de magistrados participam este sábado numa assembleia de delegados do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) para discutir a revisão do Estatuto do MP e o modelo de uma greve prevista para fevereiro.

Na véspera do encontro, que juntará em Lisboa delegados de todo o país, o presidente do SMMP, António Ventinhas, referiu que a assembleia de delegados irá “decidir sobre a situação atual do Estatuto do MP face aos desenvolvimentos recentes na Assembleia da República e à posição assumida por vários deputados” sobre a matéria.

Em discussão vai estar também o modelo de greve que os magistrados do MP vão realizar em fevereiro, nomeadamente as datas para a marcação da greve, que poderá vir a ser dilatada no tempo. Em análise está a eventual criação de um “fundo de greve” para apoiar o protesto que poderá ser longo ou espaçado.

António Ventinhas considerou “imperfeita” a proposta de revisão do Estatuto do MP, cujo processo legislativo ainda decorre no Parlamento, e teme que algumas matérias constantes do diploma e que foram negociadas com o Ministério da Justiça possa vir a ser alteradas por deputados do PS e PSD em sede de especialidade.

O presidente do SMMP entende também que, apesar das posições assumidas publicamente pela ministra da Justiça, Procuradora-geral da República e Presidente da República, sobre a composição do Conselho Superior do MP, persiste, contudo, o perigo de deputados do PSD e PS poderem, em conjunto, mexer na atual composição daquele órgão de gestão e disciplina dos magistrados do MP.

Além da composição do CSMP, o SMMP manifesta-se preocupado com matérias da proposta de Estatuto do MP relacionadas com questões disciplinares e de carreira.

Em dezembro último, o SMMP anunciou uma greve para o início de fevereiro, designadamente contra a intenção do PS e PSD de alterarem a estrutura do CSMP, compondo-o maioritariamente por não magistrados, pondo em causa a autonomia desta magistratura.

Na altura, o SMMP criticou declarações dos deputados Jorge Lacão (PS) e Carlos Peixoto (PSD) sobre mudanças na composição do CSMP, alegando que os representantes dos grupos parlamentares do PS e do PSD estavam a defender “o controlo político do Ministério Público, por intermédio do CSMP”.

Na opinião do SMMP, ter uma maioria de membros nomeados ou escolhidos politicamente para o CSMP, permitiria “um controlo absoluto sobre toda a estrutura hierárquica do MP, uma vez que os políticos poderão escolher desde o vice-procurador-geral da República ao procurador coordenador de comarca”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)