Ordem dos Enfermeiros

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses mantém greve de quatro dias na próxima semana

A greve irá decorrer no dia 22 de janeiro na região de Lisboa e vale do Tejo. No dia seguinte na região Centro, dia 24 na região norte e no último dia nas regiões do Algarve, Alentejo e Açores.

Serviço de Urgência da Unidade Hospitalar, Caldas da Rainha

CARLOS BARROSO/LUSA

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses mantém a greve de quatro dias na próxima semana, depois de o Ministério da Saúde ter imposto esta quinta-feira unilateralmente o “encerramento abrupto” do processo negocial, disse à Lusa o presidente do SEP.

A CNESE, comissão negocial constituída pelo SEP e pelo Sindicato dos Enfermeiros da Madeira, reuniu-se esta quinta-feira com o Governo para discutir a carreira de enfermagem, num encontro em que o Ministério da Saúde “fechou as negociações”, segundo José Carlos Martins.

Em relação à carreira, o Governo explicitou que “já cumpriu aquilo que era o compromisso com a enfermagem”, de “consagrar na carreira a categoria de enfermeiro especialista”, e manteve a sua proposta praticamente inalterada, referiu.

O dirigente sindical salientou que a proposta de carreira apresentada “está profundamente longe das justas reivindicações dos enfermeiros e sindicatos”, não havendo “qualquer espaço” para discutir ou negociar a aposentação mais cedo e a compensação por trabalhos por turno.

Também do ponto de vista da grelha salarial “não traduz qualquer valorização remuneratória”, sublinhou.

“É neste quadro que a SEP mantém a greve decretada para os dias 22, 23, 24, 25 de janeiro”, disse o presidente do SEP.

Esta greve não está relacionada com a chamada “greve cirúrgica”, convocada pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), que mantêm negociações com o executivo da parte da tarde.

Estas duas estruturas têm prevista uma nova greve em vários blocos operatórios do país até ao final de fevereiro, tendo reunido um fundo de mais de 420 mil euros numa plataforma ‘online’ para financiar a paralisação, caso não haja acordo hoje com o Governo.

Em relação à paralisação já confirmada pela CNESE, tem como objetivo exigir que “sejam contados os pontos para trás aos enfermeiros em funções públicas e CIT [contratos individuais de trabalho] que foram reposicionados nos 1.200 euros” e protestar contra a “imposição unilateral de encerramento do processo negocial da carreira”.

Segundo o dirigente sindical, é “uma greve geral nacional para todos os enfermeiros” e que será feita por regiões.

No dia 22 de janeiro decorrerá na região de saúde de Lisboa e vale do Tejo, no dia seguinte na região Centro, no dia 24 na região norte e no último dia nas regiões do Algarve, Alentejo e Açores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Gritem menos e conversem mais

Fernando Leal da Costa
569

Não nos podemos distrair com a gritaria. O problema é a greve de enfermeiros? Sem greve estaria tudo perfeito? É óbvio que NÃO! O problema do SNS é o Governo que temos, é António Costa e Mário Centeno

Saúde

ADSE ou Ai do Zé?

Fernando Leal da Costa

Sejamos claros. O fim da ADSE, um dos seguros mais importantes na saúde dos Portugueses, determinará um acelerar vertiginoso do colapso assistencial do SNS, com tempos de espera infindáveis.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)