Tecnologia

Facebook quer Instagram Direct, Messenger e WhatsApp num só

790

Quando Mark Zuckerberg comprou o WhatsApp e o Instagram afirmou que as plataformas iam continuar autónomas. Agora, o New York Times afirma que o objetivo é juntar todas. Facebook confirma.

O Facebook comprou, no passado, o Instagram e o WhatsApp

RITCHIE B. TONGO/EPA

O Facebook está a avançar com um plano para integrar num só serviço as várias plataformas de chat que detém: o Messenger, o WhatsApp e o Instagram Direct. O The New York Times avança que o plano é do presidente executivo e fundador, Mark Zuckerberg, como uma tática de demonstrar que controla a empresa numa altura em que esta tem crescido exponencialmente e tem enfrentado vários casos polémicos. Porta-voz do Facebook confirmou ao Observador que a empresa está a trabalhar em integrar as três plataformas numa só.

Apesar de o objetivo ser manter as três apps autonomamente, as três vão partilhar a mesma infraestrutura. Ou seja, com a mudança, uma pessoa sem conta de Facebook, mas que tem WhatsApp, vai poder receber mensagens do Messenger.

Como seria de esperar, há muita discussão e debate enquanto começamos o longo processo de perceber todos os detalhes de como isto vai funcionar”, diz porta-voz do Facebook.

O trabalho para juntar os três serviços já começou e, até ao final de 2019, vai estar completo. Em resposta ao Observador, porta-voz do Facebook confirma a notícia e disse: “queremos construir as melhores experiências de mensagens que consegue e as pessoas querem continuar a trocar mensagens de forma rápida, simples, confiável e privada”. Para isso, o Facebook “está a trabalhar em aproveitar melhor os serviços de mensagens e a considerar formas de tornar mais fácil chegar a amigos e família entre plataformas”. 

Segundo o mesmo jornal, Mark Zuckerberg tem como objetivo de fundir os três serviços de mensagens de chat para manter todos os utilizadores das redes sociais Facebook e Instagram no mesmo ecossistema. Esta tática é para manter a empresa competitiva em relação à concorrência, ao não criar situações em que um utilizador utilize os serviços de mensagens da Google, como o hangouts, ou as Messagens do iOS e do OSX, Apple.

Ao juntar os três serviços numa só plataforma de mensagens encriptadas (só o receptor e o remetente é que conseguem ver o conteúdo), o Facebook também está a criar possibilidade de poder inserir mais publicidade nas plataformas. A empresa de Zuckerberg tem aberto mais possibilidades de monetizar estas plataformas com publicidade.

O Facebook comprou o Instagram, que tem o “Direct” como serviço de mensagens para utilizadores, e o WhatsApp, que é direcionado para smartphones, em 2012 e 2014, respetivamente.

A aquisição de empresas com negócios concorrentes tem sido uma prática do Facebook, à semelhança do que é feito por outras grandes tecnológicas. Contudo, as integrações da empresas não tem sido pacífica, ao contrário do que o Facebook afirma. Os fundadores do Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, demitiram-se, em setembro, do Facebook em conflito com Mark Zuckerberg. Os dois mantinham posições de liderança no Instagram, mas afirmaram que tinham perdido autonomia.

O co-fundador do WhatsApp também abandonou a empresa em 2018 (maio), contra as filosofias do Facebook. A saída de Jan Koum, do WhatsApp, foi na sequência do caso Cambridge Analytica, em que o Facebook permitiu que a empresa de análises de dados utilizasse indevidamente os dados pessoais de milhões de utilizadores para influenciar eleições. Na altura, Koum disse: “apaguem o Facebook”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)