Greve

Funcionários judiciais terminam a greve mas preparam a próxima

A greve decorreu diariamente em diferentes tribunais e outros organismos do sistema judiciários. Sindicatos exigem um estatuto que reconheça a complexidade funcional dos profissionais.

A próxima greve nacional de uma semana está marcada para abril

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os funcionários judiciais terminam esta quinta-feira uma greve que decorreu este mês de forma setorial, tendo já marcada para abril uma greve nacional de uma semana.

A greve que termina esta quinta-feira decorreu diariamente em diferentes tribunais e outros organismos do sistema judiciário, exigindo um estatuto que reconheça a complexidade funcional dos profissionais, o preenchimento de 1.400 vagas e o preenchimento das 750 promoções que faltam.

A paralisação é convocada pelo Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) e aconteceu depois de um conjunto de greves parciais de duas horas diárias que decorreu entre os dias 5 de novembro e 31 de dezembro.

Em 15 de janeiro os funcionários manifestaram-se em frente do Supremo Tribunal de Justiça, no âmbito da cerimónia de abertura do ano judicial, tendo depois a ministra da Justiça dito que o Governo “dará resposta logo que seja possível” ao documento reivindicativo do sindicato.

António Albuquerque, da direção do SFJ, disse à Lusa que os funcionários continuam a aguardar uma resposta do Ministério da Justiça.

“Enviámos todos os documentos, explicando tudo, inclusivamente que as nossas propostas não agravam o Orçamento de Estado. Estamos à espera”, disse o responsável, adiantando que se mantém a greve nacional de uma semana já marcada para entre 29 de abril e 03 de maio e que estão programadas “outras formas de luta a anunciar em breve”.

António Albuquerque disse que documentação explicativa foi enviada ao Presidente da República e que o SFJ insistiu numa audiência, aguardando que seja recebido.

Além da renegociação do estatuto e das questões de pessoal está em causa a tabela remuneratória, e matérias relacionadas com o ingresso na carreira, promoções e regime de aposentação.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)