Bigodes, faróis, halteres, cupcakes e copos de vinho — podem não ser as meias mais formais do planeta, mas para Tiago Monteiro, um empresário portuense de 33 anos, vieram acertar em cheio numa falha do mercado. Para melhor perceber esta história sobre oferta e procura, é preciso retroceder uns dois anos, o suficiente para recordar os tempos em que Tiago era um daqueles homens que não largava o fato, pelo menos de segunda à sexta. As meias eram um escape que, ainda assim, tinha de obedecer a um certo equilíbrio entre pinta e sobriedade.

Imagem retirada do Facebook

“Nunca encontrava meias que pudesse usar com fato. Ou tinham demasiados pormenores, ou vinham com desenhos muito grandes”, conta ao Observador. A necessidade levou-o a uma incursão pelas fábricas portuguesas da especialidade, imediatamente depois de ter deixado o emprego que mantinha há já dez anos, na área do marketing. Visitou umas 25, até encontrar a My Dara International, unidade fabril sediada na Lousã, no distrito de Coimbra. Caiu nas graças dos fabricantes e perdeu-se de amores uma uma máquina de 200 agulhas. “É muito importante. Significa que uma meia tem muito mais pontos, o que lhe dá mais elasticidade. Dura mais, por ser mais resistente, e permite-me produzir um único tamanho que serve a todos os pés”, explica Tiago.

Resolvido o quebra-cabeças da produção, passou o verão do ano passado a desenhar aqueles que seriam os motivos da primeira coleção da The Captain Socks. A partir de um universo de profissões e passatempos supostamente masculino, elaborou as primeiras figuras. Da barbearia ao ginásio, das referências náuticas à garrafeira, os pequenos ícones deixaram o papel e tornaram-se calçáveis. A marca, lançada a 6 de dezembro de 2018, arrancou com seis modelos, cada um deles disponível em duas cores. Entretanto, com o Natal à porta, Tiago aproveitou para desenhar uma edição festiva. As meias natalícias acabaram por ser um cartão-de-visita da marca, deste e do outro lado da fronteira. A The Captain Socks chegou a Espanha, mesmo a tempo do Dia de Reis.

Tiago Monteiro, o homem que deixou o marketing para criar a própria marca de meias

Depois do país vizinho, vieram outros — Itália, França, Reino Unido, Holanda, Alemanha e Áustria. Hoje, dois meses depois do lançamento, a marca já aumentou a produção e exporta meias made in Portugal para (quase) todos os cantos da Europa. Divulgação? Bem, essa é a praia de Tiago Monteiro, que não demorou muito a perceber que, consoante o tema, cada par de meias tinha o seu público geograficamente bem delimitado. “As Cheers [com garrafas e copos de vinho], por exemplo, têm imenso sucesso no Reino Unido e na Holanda. No caso das Barbershop [com bigodes e pincéis de barbear], direcionámos a divulgação para comunidades aficionadas. Quando comunicamos, comunicamos para nichos. As Fitness Motivation [com halteres] e as Fly Away [com malas e aviões] são os modelos mais vendidos e são universais”, afirma.

Por estes dias, Tiago já prepara a próxima coleção, garantidamente mais fresquinha, enquanto a cabeça já pensa noutros produtos. Apaixonado por acessórios, garante que a The Captain Socks não vai ficar pelas meias, tão pouco se vai limitar ao mercado europeu. Os planos a longo prazo também incluem a presença em lojas físicas, estratégia que ainda terá de esperar. Por agora, a prioridade é mesmo desenhar as próximas meias.

Nome: The Captain Socks
Data: 2018
Pontos de venda: loja online
Preços: 12,90€