Rádio Observador

Benfica

Liga Europa. Benfica vai mesmo poupar a equipa contra o Galatasaray

O treinador do Benfica afirma que "os meses de dezembro e janeiro foram muito carregados", por isso opta por poupar Jonas, Pizzi e Grimaldo no próximo embate da Liga Europa.

Bruno Lage afirma que a sua estreia nas competições europeias "será um marco importante"

SEDAT SUNA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador do Benfica, Bruno Lage, confirmou esta quarta-feira que deixou de fora Jonas, Pizzi e Grimaldo para o embate com o Galatasaray, da Liga Europa de futebol, com o objetivo de poupar os jogadores para outras competições, como o campeonato. Também negou qualquer tipo de euforia devido à goleada do passado domingo contra o Nacional por 10 a 0.

Ficaram de fora apenas por opção. A época é longa e eles fizeram algo diferente ao longo destes dois meses. Foram meses muito carregados e estamos envolvidos em três competições. Esses três jogadores ficaram em casa, mas temos um plantel que nos oferece totais garantias”, afirmou o técnico na antevisão do jogo de quinta-feira, da primeira mão dos 16 avos de final da Liga Europa.

Lage, que se vai estrear nas competições europeias, considerou que “os meses de dezembro e janeiro foram muito carregados”, com jogos “de três em três dias”, e salientou que a equipa técnica toma decisões em “função de diversos fatores”.

“Por exemplo, no segundo jogo com o Sporting [para a Taça de Portugal] fizemos gestão com o Rafa e com o nosso capitão. Ele [Jardel] tinha indicação para nos alertar imediatamente, caso sentisse algo. Temos atenção ao esforço dos atletas, ao historial de lesões, à idade, às viagens, à forma de recuperar. São tudo pontos que nos levam a tomar determinadas decisões”, referiu.

Mesmo admitindo que “não tem havido muito tempo para treinar”, Bruno Lage assegurou que as ‘águias’ querem entrar em campo “com enorme confiança e com a mesma qualidade” que têm demonstrado “em Portugal”.

“O Galatasaray tem uma grande equipa, um enorme treinador e joga num estádio fantástico. Temos uma equipa com jogadores que têm muitos jogos internacionais. Já tive oportunidade de assistir ao vivo a jogos aqui, na Turquia, com apoio máximo à equipa da casa, mas os grandes jogadores gostam de jogar nestes ambientes”, vincou.

Com a recente goleada histórica ao Nacional (10-0) bem fresca na memória, o técnico foi perentório a afastar qualquer tipo de euforia no seio da equipa da Luz.

“Euforia porquê?”, começou por questionar, reforçando: “Tem se falado muito do último jogo, mas, antes disso, já vínhamos numa sequência muito boa. Já tínhamos ganhado ao Vitória de Guimarães e ao Sporting.”

O treinador, de 42 anos, que substituiu Rui Vitória no comando do Benfica em dezembro, confessou que a estreia nas competições europeias “será um marco importante” na sua carreira, embora tenha relegado a questão para segundo plano. Na conferência de imprensa, Lage acabou por abordar também a possível interdição do Estádio da Luz por quatro jogos, pelo apoio prestado a claques não legalizadas.

“É algo que não consigo controlar. A direção respondeu a essa questão. Queremos muito jogar na nossa casa, no Estádio da Luz, mas jogamos em qualquer estádio se não houver Estádio da Luz. Os sócios vão encher qualquer estádio”, transmitiu.

Benfica e Galatasaray jogam na quinta-feira, a partir das 17h55, em Istambul, num encontro que será dirigido pelo espanhol Jesús Manzano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)