Meteorologia

Açores. Nevou nas Flores e Corvo

7.691

Grupo ocidental dos Açores foi atingido por uma massa de ar muito frio que fez nevar em altitudes um pouco abaixo dos 800 metros nas Flores e no Corvo. É um fenómeno raro, mas estava previsto.

Tem nevado todos os invernos desde os últimos anos nos Açores, mas é um fenómeno pouco comum

Sérgio Câmara/ Facebook

As baixas temperaturas que se fazem sentir nos Açores provocaram esta quinta-feira a queda de neve nos pontos mais altos das ilhas das Flores e do Corvo, no grupo ocidental dos Açores, confirmou ao Observador a delegação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) no arquipélago. De acordo com as explicações da meteorologista Rita Mota, a passagem de uma massa de ar muito fria pelas ilhas trouxe neve a altitudes um pouco abaixo dos 800 metros. É um fenómeno pouco comum, descreve a cientista, mas os meteorologistas já o esperavam há pelo menos dois dias.

Na mais pequena ilha do arquipélago, com cerca de 430 habitantes, o Corvo, no Caldeirão, a 650 metros de altitude, foi um dos locais mais procurados pelas pessoas para observar a queda de neve, informou o presidente da câmara, José Manuel Silva. O autarca adiantou que habitantes aproveitaram para registar o momento em fotografia e vídeo, que partilharem nas redes sociais.

Também na ilha das Flores a neve fez-se sentir no lugar do Morro Alto, referiu o vice-comandante dos Bombeiros Voluntários de Santa Cruz, Aníbal Lopes. Apesar de pouco frequente, a queda de neve é um fenómeno que ocorre nos Açores. Na montanha da ilha do Pico, a 2.351 metros, o ponto mais alto do país, a neve é visível todos os invernos.

Os Açores esperam a chegada da depressão Kyllian este sábado, que trará muito vento e agitação marítima ao arquepélago. No entanto, esta neve ainda é consequência da depressão Júlia, alerta Rita Mota, que afetou as ligações aéreas e obrigou ao encerramento a toda a navegação do Porto das Lajes do Pico na quarta-feira. Ainda esta quarta-feira já tinham sido registadas rajadas de vento até aos 100 quilómetros por hora e ondas até aos oito metros de altura. Mas o mau tempo ainda persiste em território açoriano.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, pelo menos há dois dias que a previsão meteorológica alertava para a possibilidade de aguaceiros sob a forma de neve no grupo ocidental dos Açores à conta da depressão Júlia. Um fenómeno como este é raro no arquipélago, mas tem acontecido mais do que o normal: Rita Mota diz que já se tem encontrado neve nas Flores e no Corvo por duas a três vezes no inverno nos últimos anos. Só que desta vez, a uma altitude mais baixa do que o calculado.

As imagens que têm sido partilhadas nas redes sociais mostram a neve a cobrir de branco o Morro Alto, uma montanha no concelho de Santa Cruz das Flores, na zona central da ilha, que tem 911 metros de altitude. Também já foi vista neve no Caldeirão, a cratera do vulcão que deu origem à ilha, que tem 3.400 metros de perímetro e que está a 300 metros de profundidade.

Em comunicado, o IPMA explica que “a aproximação de uma depressão cavada e a passagem de uma superfície frontal fria com atividade forte provocará um agravamento do estado do tempo”.

O grupo Ocidental vai estar sob aviso vermelho entre as 12h00 e as 18h00 de sábado, devido a agitação marítima, e sob aviso laranja o resto dia (das 00h00 às 12h00 e das 18h00 às 24h00), pelo mesmo motivo.As duas ilhas estarão ainda sob aviso laranja entre as 03:00 e as 12:00 de sábado, mas devido ao vento.

É esperado, para o grupo Ocidental na tarde de sábado vento médio de sul muito forte a rodar para sudoeste com rajadas da ordem dos 130 km/h; preveem-se ainda ondas oeste de 7 a 8 metros tornando-se sudoeste de 10 a 11 metros”, explica a meteorologista Patrícia Navarro, da delegação do IPMA nos Açores, citada num comunicado.

Los Angeles vê neve pela primeira vez desde há 10 anos

Do outro lado do oceano, outro lugar está a ser atingido por um fenómeno meteorológico raro. A cidades norte-americana de Los Angeles recebeu neve esta quinta-feira pela terceira vez este mês, algo que não acontecia há uma década. Em alguns lugares, a neve acumulou-se até aos 25 centímetros. Um cenário raro que maravilhou a população, mas que trouxe problemas: no Aeroporto Internacional de McCarran, a visibilidade chegou a cair para três quartos de milha.

Nesse aeroporto a neve caiu continuamente durante mais de sete horas, entre as nove da noite locais e as quatro da manhã, disse o The Washington Post. A queda de neve e as baixas temperaturas levaram a atrasos em alguns voos: os desembarques demoraram em média mais duas horas do que é normal, várias partidas foram atrasadas e muitos voos foram cancelados. Além disso, alguns acidentes foram motivados pela falta de visibilidade e pelo gelo acumulado nas estradas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)