David Hockney é a prova de que há acidentes que podem acabar de uma forma divertida. Na manhã desta quinta-feira, o artista de 81 anos ficou preso num elevador do hotel Amsterdam’s Conservatorium, em Amsterdão, juntamente com um grupo de jornalistas.  De acordo com a notícia do The Guardian, Hockney ia fumar um cigarro momentos antes de dar uma entrevista ao programa “Today” da rádio BBC 4 quando o incidente aconteceu. No elevador estava também o apresentador do programa, Jim Naughtie.

Foi Geordie Greig, editor do Daily Mail, que chamou os bombeiros ao local. O resgate foi dificultada pelo peso do material que os jornalistas dentro do elevador carregavam e, depois de trinta minutos presos, Hockney e os restantes jornalistas conseguiram sair do elevador. É então nesse momento que o pintor decide posar ao lado dos bombeiros, mantendo uma expressão facial que demonstra boa disposição, o que contribuiu para aliviar a situação.

Jamie Naughtie chegou a partilhar um tweet sobre a situação, no qual diz: “Pode mentir-se sobre isto? Preso num elevador em Amsterdão com David Hockney. Resgatados por bombeiros, graças ao editor do Daily Mail. É muito estranho, mas é verdade.”

David Hockney deslocou-se até à Holanda para apresentar a sua nova exposição no Museu Van Gogh em Amsterdão, intitulada “Hockney – Van Gogh: The Joy of Nature”, que explora as ligações artísticas entre a sua obra e a de Van Gogh. Ao The Guardian, Hockney conta que “Van Gogh tinha uma forma de olhar que dava a todos algumas lições” e que através da sua obra “nos dizia que há um mundo maravilhoso no nosso próprio jardim, nós só temos que olhá-lo com atenção”.  A exposição vai estar no museu a partir de 1 de março até 26 de maio de 2019.

David Hockney a pintar a obra “May Blossom on the Roman Road”, de 2009.

A exposição, que conta com pinturas do período de Hockney no norte da Inglaterra, como é o caso do quadro “The Arrival of Spring em Woldgate, East Yorkshire”, de 2011, com 9,75 metros de largura. Os visitantes vão também encontrar cadernos com esboços, desenhos feitos no iPad e vídeos.

Jonathan Wilkinson/Guggenheim