Brasil

A vítima que foi a pé até ao hospital e a cozinheira que salvou 50 crianças. As histórias de sobrevivência na escola em São Paulo

427

Entre as mortes num tiroteio numa escola em São Paulo há também histórias de sobrevivência. Uma cozinheira salvou 50 crianças. E uma vitima foi a pé até ao hospital. Conheça os testemunhos.

Os dois atiradores, 17 e 25 anos, eram ex-alunos da escola

AFP/Getty Images

Aluno atacado foi, a pé, até ao hospital com machado espetado no ombro

Um dos feridos no atentado na escola de Suzano foi José Vitor Lemos, de 19 anos, que percorreu 300 metros a pé…com um machado no ombro. O machado foi uma das armas utilizadas pelos suspeitos durante o ataque à escola.

José Lemos foi atendido no hospital mais próximo da escola, tendo sido submetido a uma intervenção cirúrgica para remover o machado. Atualmente, o aluno está em recuperação e com um quadro clínico estável.

A mãe do jovem brasileiro disse à Folha de São Paulo que, quando recebeu a chamada do hospital, pensou que o filho se tinha lesionado a jogar basquetebol e só quando se apercebeu das movimentações das forças de emergência é que soube o que tinha acontecido. “Quando já estava a chegar, fiquei tão nervosa que tive que deixar o carro e ir a pé até ao hospital”, disse a mãe, Sandra Ramos.

O aluno da escola Raul Brasil disse aos pais que estava com a namorada durante o intervalo e que quando se aperceberam da confusão cada um fugiu para um lado. A namorada do jovem acabou por ter melhor sorte e não ficou ferida no ataque.

O aluno que escapou por pouco

Rosni Marcelo Grotliwed, de 15 anos, estava com os colegas a comer o lanche no intervalo da manhã quando ouviu “três pipocos”. Começou a correr para fora da cantina, mas cruzou-se com os dois adolescentes encapuzados que invadiram a Escola Professor Raul Brasil, em São Paulo, e mataram pelo menos dez pessoas. Um tinha uma arma de fogo, o outro uma faca. Quando encontraram Rosni e os amigos a tentar escapar, os atiradores correram atrás deles para matá-los.

Durante a perseguição, um dos atacantes ficou perto o suficiente de Rosni para o tentar esfaquear. Mas o rapaz conseguiu desviar-se e a faca acabou por atingir um dos amigos no ombro. Enquanto isso, o atirador armado com a pistola disparou contra outra pessoa, que caiu ferida no chão. Foi nesse momento que um golpe de sorte deu vantagem a Rosni: as munições da arma de um dos atiradores desprenderam-se depois desse tiro e os atiradores ficaram para trás a tentar recuperá-las. Rosni acelerou o passo, saltou por cima do muro da escola e escapou ao ataque.

[“Vídeo: como aconteceu o tiroteio no Brasil]

A cozinheira que salvou 50

A história de Rosni Marcelo Grotliwed é um dos testemunhos de sobrevivência do ataque numa escola na cidade de Suzano, conta o G1. Outra história é a de Silmara Cristina Silva de Moraes, a cozinheira da escola que ajudou 50 estudantes a refugiarem-se na cozinha atrás de barricadas construídas com frigoríficos, congeladores e mesas. “Parecia que procuravam alguém. Iam para lá e para cá, atiravam muito. Nós não vimos nada. A gente baixou-se e ficou a escutar o movimento. Isso durou entre 10 e 15 minutos, mais ou menos”, contabiliza.

Ao G1, a mulher de 54 anos explica que estava a servir os lanches quando os tiros começaram e as crianças entraram em pânico. “Abrimos a cozinha e começámos a colocar o maior número de crianças lá dentro. Fechámos tudo e pedimos para eles se deitarem no chão”, recorda Silmara. Foi então que construiu a barricada em redor das crianças e as manteve o mais afastadas possível da janela: “Eles estavam próximos e a cozinha é rodeada de janelas. Ficámos todos recuados a um canto só. Se acontecesse alguma coisa ele ia pegar muita gente”, conclui a cozinheira.

A professora que pensou que eram bombinhas de Carnaval

Ali perto, uma rapariga de 12 anos já estava a começar a primeira aula da manhã quando ouviu estrondos. “Professora, isso são tiros”, terá dito a estudante, no relato que a mãe, que não se identificou, fez ao G1. A professora disse que não, que provavelmente eram bombinhas de Carnaval a rebentar ali perto. A turma riu-se, mas a descontração acabaria quando a professora se aproximou da porta da sala de aula para a fechar. “Ela espreitou no corredor e saiu. Voltou depois, fechou a porta com força e disse aos alunos para fazer pouco barulho”, explicou a mãe.

Um dos atiradores aproximava-se da sala e queria arrombar a porta para entrar. Não conseguiu: a professora e os estudantes refugiados no interior fizeram força contra a porta, tornando-a demasiado pesada para ser aberta pelo atirador, que acabou por desistir. Foi então que a rapariga ligou para a mãe: “Corre para cá. Está a haver um tiroteio, tem feridos e tem mortos”, disse ela, enquanto atravessa os corredores da escola em busca de um lugar seguro. Encontrou-o e salvou-se.

A aluna que também pensou que eram bombinhas e se escondeu na casa de banho

Maria Lima, de 16 anos, estava a sair da casa de banho quando ouviu o barulho de explosão. “Pensei que fossem os mais novos a brincar a atirar bombinhas. Estão sempre a fazer isso”, disse a aluna antes de se aperceber que eram tiros, “ao fim de dez ou quinze explosões”.

Quando se apercebeu que eram tiros voltou à casa de banho onde esteve protegida com outras dez pessoas. “Estávamos escondidos, a rezar, a pedir para viver”, relatou a aluna ao Estadão. Maria Lima esteve 30 a 40 minutos escondida com outros colegas e chegou a contactar a policia.

A aluna disse ainda que, “apesar de existirem algumas brigas entre alunos”, não era nada sério que tenha chegado a merecer a atenção da direção.

“Fechámos a porta com um armário até o barulho dos tiros passar”

Paulo Silva, professor na escola que foi alvo do ataque e com responsabilidades na direção, conta que quando estava a ir para a sala de professores e os alunos para o pátio quando se deparou com o barulho dos tiros. “Foi desesperante. Quando vi que eram tiros, corri para uma sala e gritei para todos entrarem”, conta o professor ao Folha de S. Paulo, acrescentando que fechou a porta “com um armário, até o barulho dos tiros passar”, enquanto ficou de vigia à janela.

O professor, que já estava a par de que a diretora da escola tinha sido atingida quando se resguardou na sala, diz que quando viu a policia a chegar já os alunos baleados com gravidade estavam mortos.

Paulo Silva diz que a maioria dos alunos entrou em desespero porque tentou ligar à policia mas não estava a obter resposta e outros acabaram por perder o telemóvel no meio da confusão, não conseguindo entrar em contacto com os pais. “Foi um enorme sentimento de impotência”, desabafou o professor.

Os vizinhos que se aperceberam do pânico dos alunos

Os funcionários dos estabelecimentos comerciais perto da escola Raul Brasil também pensaram inicialmente que o barulho se devia a bombinhas de uma qualquer festa e só o barulho das crianças a correr nas ruas os alertou para uma situação mais problemática.

Um funcionário de um colégio perto da escola atacada disse à Veja que só se apercebeu de que o barulho vinha de disparos quando viu os gritos dos alunos a correr. Já um funcionário da Cáritas Regional de Suzano disse à mesma publicação que não ouviu os tiros mas apenas o barulho dos alunos em fuga.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)