Rádio Observador

Poesia

Um colóquio para ficar a conhecer melhor António Botto

“António Botto & Fernando Pessoa: Poéticas em Diálogo” decorre até sábado em vários espaços de Lisboa. Evento quer contribuir para uma melhor compreensão da obra de Botto e da sua ligação com Pessoa.

O colóquio "António Botto & Fernando Pessoa" foi organizado por Margarida Almeida Bastos e Nuno Ribeiro

KIMMY SIMÕES/OBSERVADOR

Arrancou esta sexta-feira de manhã o colóquio internacional “António Botto & Fernando Pessoa: Poéticas em Diálogo” que, até sábado, vai reunir vários especialistas na obra dos dois poetas e no modernismo português em Lisboa. Margarida Almeida Bastos, uma das organizadoras do evento evocativo dos 60 anos da morte de Botto, disse acreditar que esta “será uma oportunidade de ficar a conhecer mais sobre a obra” do artista “e as relações literárias” com Pessoa, responsável pela segunda edição de Canções.

Na abertura do evento ao início da manhã, Nuno Ribeiro, também organizador, lembrou a “relação muito fecunda” de Botto e Pessoa. “Foram escritores que dialogaram durante mais de uma década, desde os anos 20 até à morte de Pessoa [em 1935], que ainda publica textos sobre António Botto [nesse ano]. Se tivermos em consideração os textos, Botto é o campeão da atenção, na medida em que Pessoa escreve uma série de textos que, se somarmos tudo, são centenas de páginas.” Isto sem contar “com o que aparece no espólio”, guardado na Biblioteca Nacional de Portugal, onde decorre esta sexta-feira o colóquio. Isso é ainda “um campo por explorar”, alertou Nuno Ribeiro, que consultou recentemente os manuscritos bottianos.

No caso de António Botto, “a atenção não foi menor”, afirmou o investigador da Universidade Nova de Lisboa. No espólio, existem “inúmeros escritos críticos”. “É um autor que, face a Fernando Pessoa, ainda carece de maior atenção.” Por essa razão, Nuno Ribeiro também espera que o colóquio internacional contribua “para um conhecimento cada vez mais amplo sobre Fernando Pessoa e António Botto, mas sobretudo sobre Botto”, que se tem vindo a afirmar “cada vez mais enquanto um objeto de estudo”. Datam do ano passado as últimas duas edições relativas ao poeta — o estudo O Mundo Gay de António Botto, de Ana Klobucka, e Poesia, que reúne os poemas publicados em vida pelo escritor.

Fernando Cabral Martins: “A poesia de Botto tem uma qualidade diferente, é outra coisa”

Fernando Cabral Martins, o primeiro investigador a falar no colóquio, começou por lembrar que António Botto “é um daqueles casos em que não há diferença entre a personalidade do poeta e a do autor”. “Ele tem também essa dimensão de um herói da libertação em geral e da libertação modernista, de que constitui uma das principais exemplificações. Citaria também o caso de Mário de Sá-Carneiro cuja obra, na geração anterior, consiste numa operação de libertação de diferentes códigos, de diferentes limitações e que faz dessa operação de libertação o seu trabalho principal. Essa provocação dos limites torna Mário de Sá-Carneiro numa figura que é mais do que um poeta. Tal como Botto, [que também] é mais do que um poeta.”

Essa mistura “sociológica e poética” pode “conduzir a uma impossibilidade de leitura dos poemas”, que deixam de ser poemas para se transformarem na “projeção da figura titular e historicamente heróica que os precede e os satura”. “Esse facto no caso de António Botto é marcante, e é muito difícil discuti-lo poeticamente e ter uma opinião sobre ele que seja consensual”, afirmou o professor da Universidade Nova, frisando que Botto “é um dos poemas menos consensuais da poesia portuguesa”. Tanto é “considerado um dos modernistas por excelência” como “um poeta menor”, cuja fama advém de “circunstâncias não literárias”.

José Régio foi um dos primeiros a apontar António Botto como um nome importante do modernismo em Portugal. “Ao fazer a descrição inaugural do modernismo português, [Régio] considera Botto [como] a grande figura. Penso que o próprio Pessoa partilha desta ideia. O facto de ter dedicado seis textos ensaísticos e críticos, alguns deles bastante logos, a António Botto não advém simplesmente de uma pose qualquer ou de uma vontade que ele tivesse tido de valorizar aquele amigo de uma forma um pouco artificial”, afirmou o professor de literatura portuguesa. “Sabemos que Pessoa gostava do fingimento e poderia tratar-se de algum episódio desse tipo, mas penso que não. Penso que a leitura que faz e genuína, é para tomar a sério.”

Fernando Cabral Martins, da Universidade Nova de Lisboa, apresentou a comunicação inaugural do colóquio, “O estilo moderno em António Botto”

Para o investigador, que procurou fazer um apanhado do que se tem escrito e dito sobre a obra bottiana, “essa importância real que Botto tem na poesia e na arte modernista colide às vezes com outras. Isso aconteceu-me a mim. Uma vez fiz uma antologia sobre poesia modernista e fui fazendo escolhas dos poetas que nos sabemos e, quando cheguei a António Botto, senti que havia alguma coisa de diferente. A poesia de Botto tem uma qualidade diferente, é outra coisa.”

Admitindo que no resumo que enviou para os responsáveis pelo colóquio descreveu a obra de António Botto como “modernismo popular”, Cabral Martins afirmou que, apesar de este não ser necessariamente o melhor termo, esta tem de facto “uma dimensão despretensiosa”. “É uma poesia que não oferece barreira à leitura, não exige nenhuma daquelas considerações esotéricas que o Pessoa às vezes exige [por exemplo], é uma leitura que se faz com grande ligeireza. É música ligeira. E nesse sentido, aquilo que Botto oferece é uma experiência de leitura que é surpreendentemente fácil. E isso é alguma coisa que desconcerta. Não estamos habituados a ler poesia modernista fácil.”

Sobre a reação de Botto com Pessoa, Cabral Martins lembrou o livro de Anna Klobucka, O Mundo Gay de António Botto, no qual a investigadora chama a atenção para uma relação que acredita ter sido recíproca e que não beneficiou apenas um dos lados. “Há uma relação que é uma relação a sério, uma relação poética que tem a dimensão que de facto parece ter. Isso implica, como de resto Anna Klobucka mostra muito bem, que haja igualmente uma relação ativa e produtiva com Pessoa.” Não se trata apenas da entrada de Botto “na esfera do Pessoa”, “no cone de luz que é Pessoa” e da sua transformação graças a isso. Essa “versão não tem em conta o facto de António Botto ter uma relação igualmente produtiva neste contexto”.

Essa relação e “a sinceridade com que Pessoa apreciava Botto pode ser exemplificada pelas semelhanças entre passagens de Ricardo Reis e António Botto ou vice-versa”. “Essa evidência revela que há de facto um diálogo produtivo entre a escrita de Pessoa — ou, se preferirem, de Ricardo Reis — e António Botto. A construção do neopaganismo é feita em torno de Reis mas também em torno de Botto”, afirmou o professor. “Nesse sentido, a obra de Botto ganha uma importância real efetiva” na obra de Fernando Pessoa.

O colóquio “António Botto & Fernando Pessoa” continua no sábado no Palácio Pimenta, no Campo Grande. A investigadora Anna Klobucka será responsável pela palestra de encerramento, intitulada “Pessoa leitor de Botto”. Durante a tarde, será apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian, pela primeira vez em Portugal, o documentário “À Procura de António Botto”, realizado por Cristina Ferreira Gomes.

O programa completo do encontro pode ser consultado aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Rita Cipriano, fotografia de Kimmy Simões.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)