Rádio Observador

Audi

Audi. Queda nas vendas obriga a “limpeza geral”

Em 2018, a marca de Ingolstadt perdeu terreno para as tradicionais rivais BMW e Mercedes. Para não ficar para trás, 2019 vai ser “um ano de transição”, com muitos cortes e redefinição da estratégia.

Dia 23 de Maio, a Audi vai apresentar uma realinhamento da sua estratégia que lhe permita superar o revés provocado pelo recuo nas vendas e, consequentemente, nas margens de lucro. Realidade que a levou perder terreno face à concorrência, designadamente germânica, com a BMW e a Mercedes a distanciarem-se do fabricante de Ingolstadt.

No ano passado, as entregas da marca dos quatro anéis fixaram-se em 1,81 milhão de unidades, o que reflecte uma queda global de 3,5% face a 2017, mas sobretudo menos 14% nos mercados europeus. A introdução do novo ciclo de medição de consumos e emissões WLTP é apontada como uma das justificações para o “desaire” na Europa, sendo o próprio CEO da Audi, Bram Schot, a assumir que a marca falhou nesta frente:

Não podemos ficar satisfeitos com o nosso desempenho. A Audi tem excelentes produtos no mercado mas, em termos de negócios, falhámos na transição para o WLTP como teste final de stress”, declarou.

O objectivo mais imediato é reduzir custos e aumentar a produtividade, de uma ponta à outra da estrutura, de modo a alcançar no final deste ano uma margem de lucro operacional entre 7% e 8,5% que, mais a longo prazo, deverá ficar entre 9% e 11%. Nesse sentido, a marca define 2019 como “um ano de transição”, com o vice-presidente financeiro, Alexander Seitz, a antecipar que a empresa vai concentrar-se na estrutura de custos e promover uma “limpeza”, em termos operacionais, na medida em o WLTP continua a cortar uma fatia aos ganhos. Recorde-se que, após a detenção do seu antigo CEO, Rupert Stadler, a marca disse querer poupar 15 mil milhões de euros, tornando-se mais eficiente. Até porque precisa de continuar a investir na mobilidade eléctrica, na condução autónoma e nos serviços digitais – um total de 14 mil milhões de euros até 2023.

Na reunião anual que decorrerá em Maio, saberemos mais detalhes acerca das medidas que o fabricante alemão pondera implementar. Para já, a Audi adianta que em cima da mesa está a adaptação da gama (produtos e de motorizações) à procura, o que significa que até 2025 o portefólio nos segmentos de médio e grande porte deverá crescer até 15 modelos. Os modelos a combustão e os motores mais poluentes serão também eliminados progressivamente, em prol da electrificação. E tanto assim é que nem modelos emblemáticos escapam, pois neste momento os desportivos TT e R8 vêem o seu futuro questionado, havendo a forte possibilidade de só terem continuidade assegurada se forem eléctricos. Aliás, nos próximos dois anos, a Audi planeia introduzir cinco eléctricos a bateria e sete híbridos, de modo a chegar a 2025 com uma gama de 30 modelos electrificados.

Para crescer nas vendas, a China é o mercado onde a Audi pretende focar-se, de modo a aí atingir valores na ordem de 1 milhão de unidades. Neste momento, as entregas nesse país asiático rondam as 600 mil novas viaturas.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)