Madonna acusou Portugal de ingratidão. A artista queria levar um cavalo puro-sangue lusitano para dentro da Quinta Nova da Assunção, um palacete do século XIX, para gravar uma parte do seu novo videoclip. Basílio Horta não cedeu e disse mesmo: “Há coisas que o dinheiro não paga”. A história “insólita” que envolve a rainha da pop, um cavalo e o palacete histórico ultrapassou as fronteiras de Portugal e, debaixo do ante-título “Incidente Diplomático”, aterrou na edição francesa da Vanity Fair.

O caso de Madonna, que a Vanity Fair diz parecer uma “anedota”, até merece a menção de jornais portugueses, Observador incluído, cujo título da notícia do dia 24 de março é citado no final texto. A polémica situação — o pedido de filmagens foi aceite pela autarquia, mas a cena que mostraria o “cavalo deitado no chão a interagir com a protagonista” não teve luz verde “por motivos de segurança” — levou Basílio Horta a dizer que leva “muito a sério o princípio da igualdade”. “A moral da história? Nem Madonna pode fazer tudo o que gosta”, lê-se ainda na respetiva publicação. 

Madonna acusa Portugal de ingratidão. Basílio Horta diz que “há coisas que o dinheiro não paga”

A notícia em que Madonna acusa Portugal de ingratidão ainda chegou — até ver — ao espanhol El País e também à edição francesa do The Huffington Post, que escreve que a cantora vai abandonar o país “ingrato”.