Rádio Observador

Doenças

Risco de sarampo pode aumentar 50% até 2050

Os movimentos anti-vacinação podem provocar um aumento de casos de sarampo. Os EUA tiveram o maior surto dos últimos 25 anos. A vacinação em idade escolar pode ser parte da solução.

O sarampo é uma infeção provocada pelo vírus "Morbillivirus"

Getty Images/iStockphoto

O risco de infeção pelo vírus do sarampo pode ser 50% maior daqui a trinta anos, concluiu um estudo publicado na revista científica BMC Medicine e noticiado pelo Público. Na origem do problema estão “os movimentos anti-vacinação e a hesitação parental”. E isso já está a ter consequências: “Nos últimos anos, assistimos a ressurgimento do sarampo mesmo em países onde, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, a eliminação já deveria ter sido alcançada”.

A solução, acreditam os cientistas do Centro de Tecnologia para a Informação e da Universidade de Bocconi, em Itália, pode passar pela reformulação dos programas de vacinação. A proposta surgiu depois de a equipa ter testado como é que nos programas de vacinação teriam influência na imunidade de determinados grupos ao sarampo no Reino Unido, Irlanda, Itália, Estados Unidos, Austrália, Singapura e Coreia do Sul.

Alguns países adiantaram-se aos resultados deste estudo. Tanto Itália como França tonaram a vacinação contra o sarampo obrigatória à entrada para a escola para fazer frente à ameaça e aumentar a proteção entre as crianças. Os Estados Unidos também podem ser obrigados a tomar medidas, recorda o Público, já que, segundo os Centros para Controlo e Prevenção de Doenças, houve 839 novos doentes com sarampo em 23 estados norte-americanos. É o maior surto do país dos últimos 25 anos.

O facto de a vacina passar a ser obrigatória à entrada para a escola pode ser preponderante para o combate a surtos como este. Segundo o estudo da BMC Medicine, se os programas de vacinação em vigor nos sete países estudados pelo grupo se mantivessem tal como estão, só a Singapura e a Coreia do Sul teriam uma população infetada pelo vírus inferior aos 7,5%. Todos os outros países ficariam acima da percentagem considerada segura para eliminar a doença. Isso mudaria se pelo menos 40% das crianças fossem vacinadas quando entrassem na escola ou se 95% da população geral recebesse proteção.

Itália é o país mais preocupante. Como a população em risco de ser infetada pelo vírus do sarampo é superior ao limiar considerado seguro para a eliminação do programa — o país tem uma população suscetível de 9,3%, quando devia estar abaixo dos 7,5% –, estas medidas podem não chegar. Essa percentagem pode subir aos 14%. Entre os adultos com 25 anos ou mais, até pode ultrapassar os 50%. Aliás, “caso os níveis de cobertura dos programas atuais permaneçam inalterados, a percentagem de indivíduos em risco de infeção deve aumentar entre 2018 e 2050 em mais de 50% em todos os países, exceto a Coreia do Sul”, avisa o estudo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)