Rádio Observador

Organização Mundial de Saúde

OMS. Quatro vezes mais casos de sarampo reportados em 2019

111

A Organização Mundial de Saúde avisa que os dados de 2018 e 2019 ainda são preliminares, mas destaca a clara tendência de aumento do número de casos de sarampo de forma global.

O número de casos de sarampo tem aumentado devido a falhas na vacinação das populações

AFP/Getty Images

O número de casos de sarampo reportados até abril aumentou de 28.124 casos, em 2018 para 112.163 casos, nos primeiros meses deste ano. A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta que os dados ainda são preliminares, mas mostram um claro crescimento em 2019 — uma tendência que se tem mantido nos últimos dois anos.

Os dados finais de 2018 só serão conhecidos em julho de 2019 — e os de 2019, só em julho de 2020 —, mas a OMS aproveita os relatórios mensais para alertar que todas as regiões no mundo podem estar sujeitas a surtos da doença graças aos grupos de pessoas não vacinadas, como já aconteceu nos Estados Unidos, por exemplo. Finalizados estão os dados de 2017, que estimam a morte de 110.000 pessoas.

“O números de casos real — baseado nas estimativas globais — também será maior do que aqueles que são reportados. A OMS estima que menos de um em cada 10 casos é reportado globalmente, com variações por região”, lê-se no comunicado.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, mas que pode ser quase completamente evitável quando as pessoas recebem as duas doses recomendadas da vacina, diz a OMS. A vacinação continua a ser a forma mais eficaz de prevenir a doença, reforça a Direção-Geral da Saúde (DGS).Nos países desenvolvidos, com melhores cuidados de saúde, é mais fácil tratar os doentes, ainda assim um quarto dos casos sofre complicações que se podem manifestar como lesões cerebrais, cegueira ou perda de audição.

A OMS pretendia que a primeira dose da vacina chegasse a, pelo menos, 95% das pessoas para prevenir surtos da doença, mas a cobertura não tem ultrapassado os 85%. Em relação à segunda dose, a percentagem é ainda menor: apenas 67%. A baixa cobertura para a segunda dose justifica-se, em parte, com o facto de 25 países ainda não a incluírem nos planos nacionais de vacinação.

Em Portugal, a vacina contra sarampo aparece combinada com as vacinas contra rubéola e contra a parotidite epidémica, assume o nome VASPR e é dada em duas doses. Recomenda-se a toma da primeira dose aos 12 meses e da segunda aos cinco anos, mas, segundo a DGS, não existe limite de idade para iniciar o esquema vacinal desta vacina — desde que nascidos depois de 1970 —, e não existe limite de idade para completar o esquema vacinal.

Neste momento estão ativos surtos de sarampo na Birmânia, Cazaquistão, Etiópia, Filipinas, Geórgia, Madagáscar, Quirguistão, República Democrática do Congo, Sudão, Tailândia e Ucrânia. A OMS prevê que estes surtos ainda vão aumentar o número de casos reportados, fazendo com que a diferença em relação ao ano anterior se torne ainda maior.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)