Exposições

Mosteiro da Batalha recebe exposição da Fundação Bienal de Artes de Cerveira

443

A exposição de arte contemporânea "Volumes e interações na história" vai ser exibida no Claustro Real no Mosteiro da Batalha e o diretor do monumento considera-a a mais relevante que já recebeu.

Para o diretor do Mosteiro da Batalha, a aposta de levar arte contemporânea a um monumento ligado à fundação da nacionalidade tem precisamente a finalidade de questionar e surpreender

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Quinze obras de arte contemporânea selecionadas pela Fundação Bienal de Arte de Cerveira vão ser exibidas no Claustro Real no Mosteiro da Batalha, a partir de 28 de junho, na exposição “Volumes e interações na história”.

Atualmente em instalação, a exposição foi apresentada esta segunda-feira e o diretor do monumento considera-a a mais relevante que o Mosteiro da Batalha recebeu nos últimos anos.

“Em termos retrospetivos, é a exposição mais importante que acolhemos. Não se pode falar de arte contemporânea em Portugal sem falar em Cerveira. É muito prestigiante receber esta proposta da Fundação Bienal Artes de Cerveira, que veio até nós por intermédio do festival Artes à Vila”, afirmou Joaquim Ruivo.

Segundo António Cabral Pinto, da Fundação Bienal de Arte de Cerveira, as peças foram escolhidas para garantirem um caráter “multifacetado” à exposição, “tendo em conta o espaço”.

“Há em algumas características das esculturas – como altura, dimensão, linhas – elementos que são importantes e que se relacionam de alguma forma com o Mosteiro”.

Para a Fundação Bienal de Arte de Cerveira, é de “importância enorme” a exposição “Volumes e interações na história”.

“Era quase impossível pensar que podíamos um dia fazer aqui, num sítio tão bonito, uma exposição. É um orgulho para nós”, sublinha António Cabral Pinto.

Na Batalha vão estar obras de artistas como José Rodrigues, Carlos Barreira, Manuel Patinha, Pedro Figueiredo ou Acácio de Carvalho, que também foi convidado para criar uma peça de grandes dimensões para o Mosteiro.

Na entrada principal do monumento, Acácio de Carvalho está a fazer nascer uma escultura/instalação de seis metros de altura, a partir de materiais disponibilizados por empresas da região para o festival Artes à Vila, de que a exposição fará parte.

“É um pirâmide dividida a meio, com formas do gótico flamejante. Quando se olha a paisagem do mosteiro de longe, vê-se toda esta chama. Pode dizer-se que é a geometrização do mosteiro, numa linguagem contemporânea”, explica o artista.

Quando a peça estiver terminada, espera que os visitantes “se interroguem sobre o que é”: “Gostem ou não, isso é o mais importante. Esse é o objetivo da arte”, frisa.

Para o diretor do Mosteiro da Batalha, a aposta de levar arte contemporânea a um monumento ligado à fundação da nacionalidade tem precisamente a finalidade de questionar e surpreender.

“O nosso dever é arriscar, mesmo que surjam algumas críticas. Não estamos a colocar em causa o património, não vamos beliscar uma única pedra. A instalação de Acácio de Carvalho é provisória e sairá daqui dentro de dois ou três meses. É preciso captar novos olhares e novos públicos”, defende Joaquim Ruivo.

Chamando a arte da Bienal de Cerveira à Batalha, o responsável espera acrescentar motivos para uma visita ao Mosteiro: “Um monumento que se quer vivo, quer-se visitado por pessoas com todo o tipo de interesses, seja por pedras nuas, seja por arte contemporânea. Penso que esta exposição vai ter muito impacto”, conclui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)