Rádio Observador

Saúde

Cirurgias em risco por atrasos nos pagamentos do SNS aos privados

675

SNS tem de enviar doentes para serem operados nos privados quando não consegue cumprir tempo mínimo de resposta. Mas o atraso no pagamento pode pôr em risco estas cirurgias.

Já há médicos a recusar fazer cirurgias nos privados devido aos atrasos nos pagamentos

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Há médicos em hospitais privados a ameaçar recusar fazer cirurgias a doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde devido a falta de pagamentos desde 2017, noticia esta sexta-feira o Público, a partir do exemplo do Hospital da Ordem Terceira Chiado, em Lisboa — cujo diretor clínico, José Domingos Vaz, diz não ser caso único no país.

A redução dos tempos máximos de resposta garantidos para um conjunto de cirurgias tem obrigado os hospitais do Serviço Nacional de Saúde a enviar cada vez mais doentes para os privados, por falta de capacidade de resposta atempada. Só em 2017, foram emitidos 118.696 vales de cirurgia, um valor que foi quase o dobro do ano anterior.

Porém, há muitas cirurgias que ficam por pagar — e são os hospitais privados a pagar a fatura. “Além da equipa de enfermeiros e médicos, é preciso material e os fornecedores obrigam a um pagamento de 60 dias”, disse o diretor clínico do Hospital da Ordem Terceira ao Público. José Domingos Vaz disse ainda que os hospitais do SNS devem àquele hospital mais de 6 milhões de euros, relativos a 3.250 cirurgias.

O processo de financiamento destas cirurgias depende da validação da Administração Regional de Saúde (ARS) respetiva ao hospital em questão. Depois da cirurgia, o hospital privado remete o processo para a ARS, que o avalia. “Só quando a ARS valida o processo é que podemos enviar a fatura ao hospital de origem para pagamento. Ora, o que está a acontecer é que a ARS vai retendo faturação e demora a validar”, denunciou José Domingos Vaz.

O diretor clínico daquele hospital privado na capital portuguesa assinala que o último pagamento que recebeu do SNS foi relativo a cirurgias realizadas em 2017. Mas só no primeiro trimestre de 2019 já efetuou 561 operações enviadas pelo SNS — entre 2017 e 2018 foram quase quatro mil.

Como resultado, há médicos que começam a recusar fazer estas cirurgias. “Já houve muitos médicos que deixaram de fazer estas cirurgias. Tive casos de otorrinos e neurocirurgiões que já não fazem”, disse José Domingos Vaz. Contactado pelo Público, o Ministério da Saúde respondeu não ser “possível a consolidação da informação” sobre os pagamentos em todos os hospitais do SNS.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)