Rádio Observador

Exames Nacionais

Sociedade de Matemática diz que exame do 12.º ano foi uma prova “pobre” e denuncia “facilitismo”

668

A Sociedade Portuguesa de Matemática critica itens cuja complexidade de raciocínio exigida está ao nível do 2.º ciclo. E lamenta que não se peça para justificar resultados obtidos com calculadora.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa

A Sociedade Portuguesa de Matemática (SPM) classificou esta terça-feira o exame nacional da disciplina no ensino secundário como “uma prova pobre que não avalia de forma equilibrada a aprendizagem prevista no currículo”, deixando ainda críticas de facilitismo.

“Trata-se de uma prova pobre que não avalia de forma equilibrada a aprendizagem prevista no currículo do ensino secundário nem valoriza adequadamente o trabalho desenvolvido pelos alunos e respetivos professores ao longo dos três anos do ensino secundário, situação que, tudo indica, poderá agravar-se no futuro”, conclui a SPM em comunicado divulgado esta terça-feira.

Milhares de alunos do ensino secundário fizeram esta sexta-feira o exame nacional do 12.º ano à disciplina de Matemática, prova fundamental no acesso a cursos científicos no ensino superior.

À semelhança do que já havia feito o ano passado, a SPM voltou a criticar o facto de o exame ser feito a pensar em dois currículos, com itens em alternativa, para permitir que os alunos que aprenderam a disciplina com base no anterior currículo, entretanto revogado, não fiquem em desvantagem na prova.

“No presente ano letivo este último já não foi lecionado nas escolas, sendo por isso ainda mais incompreensível esta opção. Os alunos externos que eventualmente pretendessem submeter-se a exame deveriam naturalmente ter uma prova própria, como sempre foi feito no passado aquando de alterações de programa. Sujeitar todos os alunos, em particular todos os que se encontram dentro da escolaridade obrigatória, a outros referenciais eventualmente adequados para alunos que já não estão nessa situação é pura e simplesmente inadmissível”, defendeu a SPM.

Para a organização científica esta opção representa o “travão que o Ministério da Educação quer declaradamente impor” a “currículos organizados” e a uma “avaliação de conhecimentos e capacidades séria e objetiva”, criticando, mais uma vez, a opção educativa pelo programa de flexibilidade curricular, “uma forma encapotada de fazer com que os currículos efetivamente lecionados não possam ser submetidos ao escrutínio público, nivelando por baixo o trabalho das escolas e transformando-as lentamente em verdadeiros centros de Atividades de Tempos Livres”.

Lembrando que os conteúdos dos exames do 11.º ano foram reduzidos devido à flexibilidade curricular, a SPM entende que isso é “prenúncio de uma onda de facilitismo” e considera “notória a transição que o exame de hoje pretende fazer, na passagem de uma avaliação digna e pertinente para uma avaliação sem fiabilidade, ‘a fingir’ e até, por vezes, caricata”.

Sobre o conteúdo da prova, a SPM critica itens cuja complexidade de raciocínio exigida está ao nível do 2.º ciclo, que não se peça para justificar resultados obtidos por uso da calculadora – que “constitui a antítese do método científico e da boa utilização da tecnologia, que deve ser sempre acompanhada de espírito crítico – e de serem colocadas questões de nível “demasiado trivial” para alunos a concluir o ensino secundário.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)