Foi uma confirmação tardia: a 4 de julho, uma semana antes do início do NOS Alive, foi anunciado que os Variações completariam o cartaz da 13ª edição do festival, que arrancou esta quinta-feira no Passeio Marítimo de Algés. A banda criada para interpretar os temas do filme sobre António Variações, que se foca nos primeiros anos da carreira do artista e que tem estreia marcada para o próximo mês de agosto, vai tocar nos três dias do Alive, sempre no Palco EDP Fado Café, ao final da noite.

As atuações no NOS Alive vão ser a estreia do projeto fora do set, uma possibilidade que foi surgindo à medida que este se ia consolidado. Sérgio Praia, que interpretou António Variações no filme realizado por João Maia, tão responsável pela existência dos Variações como os músicos, dá voz aos temas, estendendo assim um trabalho que fez à frente das câmaras para o palco. Entre as canções escolhidas, para o filme e para as atuações ao vivo, contam-se algumas conhecidas, mas com as primeiras roupagens que Variações lhes deu e que o produtor Armando Teixeira, responsável pela banda sonora, procurou reconstruir fazendo “uma espécie de arqueologia”.

Em entrevista ao Observador, Teixeira admitiu sentir o peso da “responsabilidade” de fazer subir novamente ao palco as músicas de um cantor tão icónico como António Variações, mas deixou claro que esta não é mais uma banda de covers tradicional, mas um projeto que vai muito além disso. O ator Sérgio Praia também não escondeu o nervoso miudinho por homenagear no Alive um artista tão amado pelo público português.

5 fotos

Vamos começar pelo início. Como é que surgiu este projeto?
Armando Teixeira (AT): Isto só tem uma razão de ser que é o filme “Variações”. Primeiro fizemos a banda sonora para o filme, depois apercebemo-nos que poderia funcionar [fora dele]. O Sérgio [Praia] estava muito bem como cantor e dava garantias para continuarmos. Começámos a pensar timidamente nessa possibilidade mas, pelos vistos, toda a gente estava a pensar em fazer uma banda. No fundo, o que estamos aqui a fazer é a pegar naquilo que existe no filme — a materializar os sonhos que o António tinha antes de gravar os discos. Se ele não os tivesse gravado, se tivesse gravado com aquelas pessoas que lá estavam [a tocar com ele antes disso], imaginamos que seria mais ou menos isto. Portanto, tudo isto já existia. Às vezes não era completo, e nós tivemos de fazer assim uma espécie de arqueologia.

Usar o material existente não era uma opção?
AT: Não, não era. Não poderia funcionar. Para o [realizador] João Maia, o ator tinha de ser o cantor. A banda tem como base o filme, e o que estamos a fazer é a materializar a banda sonora.

Disseste que fizeram uma espécie de arqueologia para criar a banda sonora do filme. Em que é que isso consistiu?
AT: Há uma música que é muito emblemática disto [que fizemos] que é o “Perdi a Memória”. No “Perdi a Memória”, há uma parte da música que é exatamente igual à que exista nas maquetes que o António gravava nos ensaios, mas depois não tinha refrão, não tinha a bridge, não tinha mais nada. Era só aquela parte A. E nós, com o espírito daquela parte A, construímos [o resto] com base na música que depois existe no álbum Dar e Receber, produzido pelos Heróis do Mar. Imaginámos [o que teria acontecido se] aquela banda [dos ensaios] tivesse seguido aquele caminho e se tivesse feito aquilo que o António queria que eles fizessem, que foi, no fundo, o que ele depois fez no Dar e Receber. Imaginámos como é que a banda teria tocado. Este trabalho de arqueologia passou sempre por imaginar o que é que aqueles músicos, com os gostos que nos apercebemos e que me apercebi que teriam, fariam se tivessem de completar aquela canção ou se tivessem um produtor que lhes dissesse como é que poderia ser aquela canção. Mas nada foi inventado, foi [tudo feito] com base naquilo que já existia.

Não sentiram a pressão? Tiveram de mexer em material de um artista icónico.
AT: Percebo isso, mas não sinto essa pressão. O trabalho que estamos a fazer é quase um documento. Estamos a materializar uma coisa que não existiu, mas que poderia ter existido. E aquilo que também nos norteou no início para fazer este espetáculo foi pegar no primeiro concerto do António e os Variações no Trumps [em Lisboa, em 1981]. Se as pessoas forem ouvir esse concerto, as músicas não têm nada a ver com as que nós conhecemos agora do António Variações. A roupagem não tem nada a ver. A melodia está lá, mas não está resolvida da maneira a que nós estamos habituados.

Sérgio, como foi interpretar, não apenas o homem, mas também o cantor?
Sérgio Praia (SP): É um trabalho contínuo, é uma coisa que me dá muito prazer. Acho que nasci um bocado para isso — para dar vida a personagens. Pelo menos acredito nisso, é o que me move nesta vida — poder dar vida a outras pessoas, que já não estão cá ou que estão e se calhar não conseguiram passar algumas mensagens. Evidentemente que há uma grande responsabilidade, mas também muito cedo tentei tirar esse peso de cima, porque se há coisa que queria fazer com este personagem era celebrá-lo. Não queria sofrer com as dificuldades. Claro que as há, e vai haver sempre em todos os projetos e na vida inteira, mas com este trabalho, que foi muito longo e demorou muitos anos até ser feito, fui tentando estar sempre num estado de celebração, como se tivesse um incenso assim muito bom, muito cheiroso, a queimar para aí há 12 anos. Já vai a meio [risos], ainda falta um bocadinho, mas gosto de imaginar este processo assim.

O lado físico sempre foi uma coisa que me interessou muito porque, como intérprete, comecei como bailarino. Portanto, há uma ligação ao corpo que me atrai muito e esse era o grande impulso para o timbre do António — o dentro para fora, o impulso físico para trazer a voz cá para fora. E isso também me deu uma grande vontade de explorar. Depois foi perceber que ele era fascinado pela Amália. Sou fascinado pela Amália desde miúdo e consigo perceber o fascínio dele [risos]. Ou, pelo menos, tento imaginar. Tentei perceber um bocadinho como era a cabeça daquela pessoa.

Então encontrou muitos pontos em comum.
SP: Muitos! Porque não conhecia Variações até ao João Maia me convidar para o casting. Conhecia a história dela e as músicas todas, “O Corpo É que paga” e não sei quê, mas o que gostei quando o João me convidou foi que a visão que ele tem para este filme não é a visão dos vídeos mais conhecidos que estão no Youtube, digamos assim. É uma visão diferente e foi isso que me emocionou. Percebo que as pessoas tenham sempre a tentação de só ir buscar a parte mais alegre, mais rápida, digamos assim, que se vê logo e que nos mostra que ele era um grande maluco, que se vestia de uma forma muito excêntrica e que aquilo era para chocar. O João foi tentar perceber as razões disso tudo.

Foi à raiz.
SP: Sim, à raiz, que é a terra, é o Minho. Das coisas mais bonitas no António é descobrir que ele sempre cantou o Minho nas músicas dele. Acho que quem o quer perceber tem de mergulhar nas letras. Aquilo é que é, para mim, a grande bíblia. As coisas que existem à volta são opiniões e necessidades que as pessoas têm de se agarrar a qualquer coisa. Agora, o António é as letras.

Que tipo de preparação é que tiveste para puderes cantar? Tiveste aulas de canto? Ou já eras um cantor nato?
SP: Nada disso, nem por sombras! Aliás, quando percebi que era para cantar disse logo ao João que achava uma boa ideia escolher outro ator, porque não sou cantor.

Podiam também ter optado por ter outra pessoa a cantar.
SP: Sim, também se podia ter usado o playback. Entendo a vontade que o João tem do nervo de cantar ao vivo, de cantar no momento, porque essa foi a vida do António, foi essa dificuldade de arranjar músicos bons para tocarem com ele, para as coisas serem melhores. Então, a única coisa que pedi ao João, digamos assim, foi que houvesse um trabalho vocal antes das filmagens. Trabalhámos com o Rui Baeta, que foi o meu professor de voz e que me ajudou muito a solidificar a ideia do João. Depois, em conversa com o Armando também, tentámos fazer um trabalho em conjunto. Acho que só assim é que iria funcionar. Portanto, estava, imagine-se, uma hora, das três às quatro, com o Baeta e depois ia ter com o Armando para irmos ensaiando as músicas com a banda e haver uma certa dificuldade. Era quase propositada, mas também o nosso cinema é um bocadinho assim. Ou seja, tentámos ter menos condições na questão da banda. O sítio que temos para ensaiar é muito simples e isso é, para mim, quase dar a oportunidade ao António de poder fazer a coisa mais uma vez. Acho que esta vontade de querer celebrar com as pessoas e de querer trazer este nosso projeto para a rua, é um bocadinho também isso. E não podemos estar num sítio melhor, no NOS Alive, que é uma celebração da música. Estamos mesmo felizes por estar aqui.

É um festival com uma grande dimensão. Não está um bocadinho nervoso?
SP: Estou com a boca toda colada! Não sei se não se percebe. Não se percebe?

Porque tocar num festival não é a mesma coisa que tocar numa sala de ensaios. 
SP: Sim! E depois são as expectativas. Não nos podemos esquecer de uma coisa que é: o timbre do António e o amor que as pessoas têm por ele em Portugal, que é tão grande que é evidente que uma pessoa que o interpreta de repente no cinema sabe que tem uma certa responsabilidade. Agora, ninguém vá ver um filme a achar que vai ver o António Variações porque não vai ver o António Variações. Vai ver tentativas de aproximação.

Mas não é só o vocalista que está nervoso…
AT: Sim, um bocado… Se forem as tuas músicas, tu controlas, é um pouco diferente. Aqui a responsabilidade é grande, como o Sérgio diz. É muito importante para nós explicar a razão disto existir, não queríamos que alguém pensasse que isto é uma banda de covers, que nos estamos a aproveitar disto para fazer um best of.. Não é isso, isto surgiu por uma necessidade de mostrar outra coisa que poderia ter existido. E é isso que é muito interessante. Acho que nunca foi feito uma coisa destas, nem em Portugal nem no mundo — pegar numa banda que não existiu, que poderia ter existido, e numa banda que existe no cinema e pô-la a tocar ao vivo. E isso é uma responsabilidade grande.

É uma coisa que mexe também com alguns anos de trabalho, tanto nossos como do João Maia. E, também para ficarmos esclarecidos, isto é uma visão do João Maia, do realizador. Acho que é um bocadinho abusivo da parte dele, mas ele dizia que estas versões são melhores do que os originais do António Variações. Ele sempre colocou essa pressão. “Isto é melhor do que aquilo que já existe do António Variações!” Agora vão descobrir se é melhor ou não. Pelo menos é diferente.