Rádio Observador

Chefs

Líquen. O chef Ljubomir chegou aos Açores com um novo restaurante

650

Stanisic concretizou o sonho de criar um projeto na sua zona favorita de Portugal. Este Líquen já mexe e é a materialização da natureza que rodeia o Furnas Lake Resort, hotel onde mora esta novidade.

Fabrice Demoulin

“Estou a mil, vou abrir o restaurante dentro de uma hora! Se mandar um vídeo até morres!” — é desta forma, entre risos, que o chef Ljubomir Stanisic atende o telefone. O célebre cozinheiro já tem vários projetos gastronómicos um pouco por todo o país mas a sua reação à chamada do Observador mostra perfeitamente que isso não lhe tira o entusiasmo e a paixão de se lançar numa nova aventura. Sem grandes avisos, Ljubo construiu e agora inaugura o Líquen by Ljubomir Stanisic, novo restaurante do Furnas Lake Resort que mora no cenário idílico da ilha de São Miguel, nos Açores.

“Isto já estava planeado há algum tempo, quase um ano, mais ou menos”, explica. Ljubo conhece o casal Manuel e Helena Câmara há vários anos, diz mesmo que Manuel é “o grande amigo” que lhe salvou a vida quando teve um acidente em Cabo Verde. “Eles tinham um hotel aqui nas Furnas, nos Açores, que nunca teve restaurante. Nós já tínhamos falado da possibilidade de desenvolver esta vertente mas só há uns cinco meses é que tudo começou”, conta. E este “começar” revela muito do ADN que compõe este Líquen, nome da vegetação curta que cresce”nas zonas mais puras” das florestas: “A primeira coisa que fizemos foi a horta”, afirma. Com a ajuda da especialista Graça Saraiva foi desenvolvendo este pedaço de terra onde nascem grande parte dos vegetais que depois vão parar às mesas dos comensais. E porque é que isto é uma boa amostra do ADN deste projeto? Por causa da natureza.

Making-of de Líquen

Um restaurante, um chefe de cozinha, uma família, um lugar. Que parece céu… Lagoa das Furnas, S. Miguel, AçoresPor Fabrice Demoulin

Posted by Liquen by Ljubomir Stanisic on Friday, July 12, 2019

O verde é dominante neste novo projeto que contou com muita força braçal do cozinheiro — e que vai além da que é necessária para manusear tachos e frigideiras. “Quando comecei a decorar o restaurante fomos buscar tudo o que fosse natural. Não quis fazer pinturas nem esculturas nem nada do género. Comecei a retirar o líquen da terra e a decorar o restaurante com ele”, afirma. Mas não foi só isto: Ljubo conta que foi “do mato” que tiraram grande parte da decoração deste espaço que até tem raízes de árvores transformadas em lustres. Tudo feito por ele, pelo “grande amigo” Manuel  Ele ainda hoje me chama de maluco por nos termos metido nisto ” — e pensado para “deixar que a flora entrasse no restaurante.”

A grande vontade de entrar em comunhão com a extensa e prolífica natureza que forra os “cento e tal hectares” de propriedade são o cerne do projeto. De tal forma que decidiram potenciá-la ainda mais ao adicionarem-lhe “vacas de leite, de carne, pomares”… Tudo coisas que se estabeleceram “à volta do restaurante” e fazem parte “do lindo sítio vulcânico” que fez Ljubomir Stanisic realizar um sonho. “Desde que cheguei a Portugal que tenho uma paixão enorme pelos Açores. É a minha zona preferida tanto para férias como para produtos — e principalmente por causa das pessoas”, revela.

O chef Ljubomir (ao centro) e a família Gago da Câmara, os proprietários do Furnas Lake Resort (da esq. para a dir.): Manuel, Helena, Mariana e Maria. ©Fabrice Demoulin

Ljubo — que escolheu o chef Hugo Alface para ser seu chef executivo — sempre achou que os Açores “precisavam da invasão de uma cozinha diferente, de alguma coisa que destacasse os produtos e os produtores”, principalmente por esta terra ser tão fértil, “quase nem é preciso fazer-lhe nada, basta cair uma semente para nascer qualquer coisa”. Esta forma de ver o arquipélago aliada à enorme vontade que tinha “de cozinhar com os grandes produtos daqui” acabou por se concretizar e a família Gago da Câmara ganhou este novo restaurante no seu Furnas Lake Resort. “Líquen é quase sinónimo de pureza, em primeiro lugar. Onde existir quer dizer que o ar está o mais puro possível e até se agarra aos troncos das árvores. A atmosfera é ótima, os animais têm uma vida saudável… Acho que a pureza que os Açores têm — até me estou a arrepiar a contar isto — é o líquen. Achei que esse era o nome perfeito para o restaurante.”

Como um restaurante não é nada sem comida resta explicar um pouco melhor aquilo que por aqui poderá provar. O chef mantém-se fiel aos pratos com nomes em forma de trocadilho e isso vê-se em sugestões como o Alho-francês em Brasa (7,50€), uma composição onde este vegetal aparece recheado com frutos secos e leva com manteiga queimada e “flores dali”; a Operação Tentáculo (16€), uma receita de polvo com mel e especiarias, puré de inhame e óleo de folhas do mesmo tubérculo; a Pasta que não Basta (14€), massa fresca com leite cru e queijo açoreano; ou até mesmo os Croquetes das Fumarolas (6,50€/2 uni.), um twist do clássico croquete de cozido que já é um dos ex-libris de Ljubomir.

Operação Tentáculo (16€), uma receita de polvo com mel e especiarias, puré de inhame e óleo de folhas do mesmo tubérculo. ©Fabrice Demoulin

Para sobremesa? Por que não um Pão-de-ló da Gorreana (6€), o clássico da pastelaria lusa que aqui é feito com o famoso chá micaelense, ou o Leite Embrulhado (6€), uma mistura de leite sólido com ananás estufado, gengibre, folha de mostarda, hortelã e folha de conteira (uma espécie de gengibre selvagem).

Líquen by LjubomirStanisic
Estrada Regional do Sul (1443,15 km)
Povoação, Furnas, Açores
296 584 107
Das 12h às 22h (fecha segunda-feira)
30€ (preço médio)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)