Rádio Observador

Tech Auto

Atestar com combustível sintético? Agradeça à F1

2.103

A F1 é mais do que um espectáculo, desenvolvendo tecnologias que, mais cedo ou mais tarde, chegam aos automóveis de todos os dias. A nova aposta é a gasolina sintética: mesma potência, zero emissões.

A Fórmula 1 (F1) é o pináculo do desporto automóvel. Há quem prefira os tempos em que os seus motores tinham 10 ou 12 cilindros e gritavam desalmadamente com uma sonoridade que nos ficava na memória semanas depois da corrida a que tínhamos assistido. Mas a verdade é que mesmo os motores actuais, os pequenos 1.6 V6 turbo, ajudados por dois motores eléctricos, são capazes de surpreender pela eficiência energética, pois conseguem transformar 50% da energia disponível no combustível em potência. Isto quando o melhor motor de série tem dificuldade em atingir 30%…

Porque quando se está no topo, em matéria de tecnologia, é necessário continuar a avançar para evitar ficar para trás, o responsável pela competição, o norte-americano Chase Carey, anunciou que a nova meta passa por reduzir as emissões de CO2 das mecânicas mais sofisticadas do mundo. E há apenas duas formas de reduzir o dióxido de carbono: ou cortando o consumo, o que reduziria também a potência, ou passando a utilizar um combustível diferente, sintético e não fóssil, que seja neutro em carbono.

O que é combustível sintético?

A gasolina sintética é o Santo Graal dos combustíveis. Ao contrário da ‘normal’, extraída do subsolo de um qualquer país, a maioria árabe, é produzida em laboratório. Todas as gasolinas (e elas variam consoante a origem do crude que é refinado para lhes dar origem) são compostas por uma molécula com 6 a 12 átomos de carbono, outros tantos de hidrogénio (na realidade, n+2), além de resíduos de enxofre, azoto, impurezas e tudo o resto que não deveria existir na gasolina, pois serve apenas para gerar chuvas ácidas, NOx e partículas durante a queima.

Quando se produz sinteticamente a gasolina, o combustível não inclui os componentes de que não necessita. Mas o progresso mais importante tem a ver com a origem do carbono utilizado na produção do combustível. Não se sabe ainda qual a solução preconizada pelos responsáveis da F1, mas se buscam um combustível mais amigo do ambiente, então, o que faz sentido é retirar o CO2 da atmosfera, combatendo assim o aquecimento global e as variações climáticas. E caso a energia a utilizar neste processo tivesse origem em fontes renováveis, então tínhamos um hidrogénio extraído da água e um CO2 retirado do ar, que depois de queimado regressaria ao ar, sendo por isso neutro e não elevando a percentagem que existe na atmosfera – na realidade, o objectivo final.

Os F1 vão ser menos rápidos?

Nada disso. Os combustíveis sintéticos podem ter a mesma energia dos fósseis, o que significa que podem gerar a mesma potência quando queimados no mesmo motor. No limite, os motores até podem funcionar melhor. Um pouco à semelhança dos lubrificantes sintéticos que os F1 também utilizam, que não são derivados do petróleo, o que não os impede de desempenhar na perfeição o seu papel.

Independentemente dos motores que vão ser provados nos próximos anos, a F1 está determinada a que, em 2021, os motores dos carros que animam as corridas sejam mais sustentáveis, reagindo assim a quem acusava a disciplina rainha do desporto automóvel de não ter a mínima preocupação ambiental. Aliás, o mesmo teve de fazer a Fórmula E que, apesar de recorrer a motores eléctricos alimentados por bateria, viu-se obrigada a garantir que a energia com que recarregava as baterias tinha uma proveniência amiga do ambiente.

O que vai ganhar o automobilista com isto?

Muito! Os combustíveis sintéticos podem ter um futuro risonho, desde que se aposte a sério na sua produção em larga escala. Espera-se que em 2030, fruto dos compromissos impostos por Bruxelas, 30% dos veículos sejam eléctricos, o que significa que 70% irá continuar a recorrer a motores a gasolina ou a gasóleo, ainda que a maioria certamente ajudada por soluções híbridas ou híbridas plug-in. Imagine-se agora que todos esses 70% dos veículos que se vão vender daqui a 10 anos, muitos deles certamente híbridos ou híbridos plug-in, podiam queimar combustíveis sintéticos, neutros em carbono, que não acrescentassem mais um grama de CO2 à atmosfera.

As equipas de F1 têm os melhores engenheiros do mundo – isto e uns orçamentos de perder a cabeça! Se juntarmos um e outro, é mais que provável que os técnicos consigam fazer evoluir os combustíveis sintéticos mais depressa do que muitos julgariam possível.

De momento, gasolina e gasóleo sintéticos já estão a ser fabricados em diversas universidades, em colaboração com alguns fabricantes, sendo conhecida aquela em que a Audi está envolvida. O envolvimento da F1 neste projecto faria maravilhas aos avanços da tecnologia, um pouco à semelhança do que aconteceu com os turbocompressores, com sistemas de controlo das válvulas, das injecções e de tudo o mais que fez os motores dos veículos comuns avançarem tão rapidamente nestas últimas décadas.

A Bosch antecipa que esta solução “pode evitar a libertação de mais 2,8 gigatoneladas de CO2 para a atmosfera, entre 2025 e 2050”, enquanto estima que os custos da fabricação tenderão a cair com o incremento da produção, num movimento similar à geração de energia através das células fotovoltaicas. Recorde-se que em 2000 eram caras, quando a produção mundial rondava 4 gigawatts, tornando-se substancialmente mais acessíveis a partir de 2017, ano em que superaram os 227 GW.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)