Os países do G7 decidiram desbloquear uma ajuda de emergência de 20 milhões de dólares (cerca de 17,95 milhões de euros) para o envio de aviões Canadair para combater os incêndios na Amazónia, disse esta segunda-feira a presidência francesa.

Além do envio da frota de aviões, o grupo dos sete países mais ricos (G7), que está reunido em cimeira na cidade francesa de Biarritz, concordou em disponibilizar um fundo de longo prazo para o reflorestamento da Amazónia, cujo projeto será apresentado à Assembleia Geral da ONU no final de setembro.

Para que serve afinal a Amazónia?

O gabinete do Presidente francês, Emmanuel Macron, explicou que este plano de reflorestamento precisa ainda do acordo do Governo brasileiro e deverá ser articulado com as organizações não-governamentais no terreno, bem como com a população local.

A presidência francesa considera que a Amazónia é o “pulmão do planeta”, mas considera que também em África o problema da florestação é de resolução urgente, esclarecendo que está empenhada em mobilizar a comunidade internacional para estudar plano similares para o combate os incêndios nas suas florestas tropicais.

Emmanuel Macron disse que os EUA apoiam estas iniciativas, embora admitisse que o Presidente Donald Trump não esteve presente na sessão de trabalho da cimeira do G7 dedicada às questões ambientais.

A Amazónia está a arder. Sete perguntas e respostas sobre uma catástrofe ambiental

Os satélites registaram mais de 41 mil incêndios na região da amazónia, durante este ano, com mais de metade a ocorrerem no mês de agosto.

(Notícia atualizada às 16h39 com a correção do valor disponibilizado pelo G7 para a ajuda de emergência aos incêndios na amazónia.)