Rádio Observador

Passadeira Vermelha

Sara Sampaio em Veneza: a festa do cinema continua e com elegância portuguesa

Sara Sampaio voltou a brilhar na passadeira vermelha do festival. Em Veneza, o desfile de estrelas continua, nos últimos dias com o alto patrocínio de Giorgio Armani. Veja as imagens.

Getty Images

O último fim de semana trouxe uma autêntica chuva de estrelas a Veneza. Depois de nomes como Brad Pitt, Juliette Binoche, Iman, Catherine Deveuve, Laur Dern e Scarlett Johansson terem pisado a passadeira vermelha, foi a vez de uma nova leva, que incluiu a manequim portuguesa Sara Sampaio.

Aos 28 anos, o anjo da Victoria’s Secret começou por deslumbrar as objetivas na noite de sexta-feira, por ocasião do visionamento do filme “Seberg”. Aí, a modelo contornou o habitual dress code de uma noite de gala e optou por usar um fato preto coberto de lantejoulas. Uma criação de alta-costura de Giorgio Armani, criador ao qual Sara permanece fiel. Na noite seguinte, sábado, escolheu um visual clássico para a antestreia de “Joker”. Em mais um exemplar Armani, desta vez um vestido, Sara rodopiou a saia plissada exibindo as riscas pretas e brancas da parte inferior da peça. Transparente, a parte de cima surgiu decorada com pérolas e pedraria.

Sara Sampaio em Armani Privé, em Veneza © Stephane Cardinale – Corbis/Corbis via Getty Images

Sara Sampaio pode encabeçar a lista das mais elegantes do fim de semana, mas não está sozinha, a começar pelo resto do clã Armani. A australiana Cate Blanchett, que completou em maio 50 anos, é das atrizes mais consistentes no que a passadeira vermelha diz respeito. Deu um ar da sua graça no sábado, exibindo um vestido preto caicai. A atriz britânica Annabelle Wallis quebrou o negrume com um vestido cor de rosa do mesmo criador. A modelo húngara Barbara Palvin foi outra a usar Armani em dose dupla — vermelho intenso na sexta-feira e azul celeste no sábado. Também a francesa Isabelle Huppert optou por uma criação do italiano.

Meryl Streep esteve em Veneza, no último domingo, para a apresentação do filme “The Laundromat”. Para a ocasião, usou um vestido Givenchy © Alessandra Benedetti – Corbis/Corbis via Getty Images

Meryl Streep parou o trânsito com uma criação Givenchy (e óculos de sol). Penelope Cruz escolheu um visual de inspiração nupcial, um vestido da dupla Ralph & Russo. Fiel à Chanel, também Kristen Stewart passou por Veneza. Margaret Qualley e Sienna Miller, ambas de cor de rosa, foram as embaixadoras da italiana Gucci.

O Festival de Veneza prolonga-se até ao próximo domingo. Para já, veja os melhores looks dos últimos dias na fotogaleria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)