O treinador do Benfica, Bruno Lage, advertiu esta sexta-feira que os campeões nacionais precisam de estar no máximo das suas capacidades para vencerem no sábado o Gil Vicente, em jogo da quinta jornada da I Liga de futebol.

Em conferência de imprensa realizada no centro de estágio do Seixal, o técnico ‘encarnado’ reconheceu ter tido “menos tempo do que é normal” para preparar o encontro, em virtude dos compromissos para as seleções nacionais, mas sublinhou que “foi preparado ao detalhe” para conseguir somar mais três pontos.

“Vamos defrontar uma boa equipa, que está em construção, e que nestas primeiras jornadas já causou surpresas. Vamos querer estar ao nosso melhor nível para conquistar os três pontos”, frisou, esclarecendo também que os médios Florentino Luís e Gabriel não vão ser opção para este encontro com o clube de Barcelos.

Na sequência de uma goleada (4-0) sobre o Sporting de Braga, na derradeira ronda, Bruno Lage adiantou que esse triunfo já faz parte do passado, tal como o desaire (2-0) com o FC Porto, e que nenhum desses jogos vai influenciar a resposta perante os ‘gilistas’ no Estádio da Luz.

“A nossa procura é sempre a da perfeição e de fazer bem no jogo seguinte. Da mesma maneira que não podemos levar o que já ganhámos para dentro de campo, também não podemos levar o que perdemos”, notou.

O treinador do Benfica desfez-se em elogios ao homólogo do Gil Vicente, Vítor Oliveira, que conta com um currículo recheado de títulos da II Liga e de promoções de clubes ao escalão máximo.

O técnico ‘gilista’, que já neste campeonato já conseguiu surpreender o FC Porto (2-1), na jornada inaugural, vincou que a equipa não vai entrar com medo do Benfica e Bruno Lage subscreveu a análise feita em Barcelos.

“Fez uma análise correta. É um treinador com enorme experiência, com muitos títulos, uma carreira invejável, e que só disse a verdade. No momento em que recupera a bola, o Gil Vicente tem os olhos postos na baliza do adversário, por isso temos de estar ao nosso melhor nível”, reforçou.

O técnico das ‘águias’ abordou ainda outra questão que provocou polémica na ‘ressaca’ do jogo com o FC Porto: a ausência de estágio antes do ‘clássico’ com o emblema portista. Na ótica do treinador do Benfica, a prática é uma forma de o clube se aproximar do que diz serem os métodos de “outros grandes clubes” da Europa.

“Temos de ir ao encontro do conforto para os nossos jogadores. Entendemos que a recuperação em casa é melhor. Preferimos que se mantenham no conforto do lar. Existe uma hora de recolher. Às 19h o jogador está em casa, todos de véspera usam a pulseira de controlo de sono e damos a oportunidade de estar com a sua família”, explicou, isolando as semanas de compromissos de seleções como “exceções” a essa prática.

O Benfica, segundo classificado, com nove pontos, recebe no sábado, às 19h, o Gil Vicente, décimo, com cinco, no Estádio da Luz, em jogo da quinta jornada da I Liga de futebol.