O preço médio de venda (anunciado) de casas em Lisboa aumentou 8% entre o final de 2018 e o final de 2019, para um valor já superior a meio milhão de euros: 520,645 mil euros. Esta é umas das conclusões de um barómetro semestral elaborado pelo portal imobiliário Imovirtual, que revela, também, que o preço médio pedido nos arrendamentos está a baixar.

O estudo, que é feito com base em dados disponíveis na plataforma, indica que a nível nacional (continente e ilhas), o preço médio anunciado de venda de apartamentos e moradias subiu 9% de um ano para o outro. Aveiro foi o distrito com o maior crescimento de preço médio anunciado, com um aumento de 14%, de 179.490 euros para 203.920 euros.

Mesmo assim, Aveiro ainda não está no top 5 dos distritos mais caros para comprar casa, em média. Além de Lisboa (520 mil euros, aproximadamente), Faro fica em segundo lugar (430 mil, um ligeiro aumento de 3%), depois Madeira (311 mil), Porto (288 mil euros) e Setúbal (263 mil). Com um aumento de 13%, Setúbal é o distrito deste top 5 onde os preços anunciados subiram mais no período em análise, embora o preço de uma casa em Setúbal seja metade de Lisboa.

No que diz respeito ao distritos mais baratos, Castelo Branco é o mais barato do país (119 mil euros), embora tenha havido um aumento de 8%, segundo os dados recolhidos pela plataforma. Depois, Beja, (125 mil), Guarda (135 mil) e Portalegre (145 mil) — distritos onde houve ligeiras descidas dos preços médios. Neste bottom 5, além de Castelo Branco só Santarém teve um aumento, de 4% para 152 mil euros.

Onde o mercado parece estar a perder algum gás é no preço médio pedido nos arrendamentos, que caiu 9% a nível nacional, quando considerados apartamentos e moradias. E a oferta parece estar a aumentar: a julgar pelos anúncios colocados no Imovirtual, estes subiram 73%, ao passo que para venda só houve mais 11% de anúncios.

top 5 nos preços do arrendamento é igual ao da venda, embora numa ordem diferente: Lisboa (cai 10% para 1.532 euros), Porto (perde 3% para 1.104 euros), Madeira (derrapa 15% para 890 euros), Setúbal (baixa 9% para 836 euros) e Faro (afunda 20% para 782 euros). Já os arrendamentos mais baratos estão na Guarda (desce 23% para 313 euros), Portalegre (baixa 9% para 348 euros), Beja (derrapa 23% para 424 euros), Castelo Branco (sobe 11% para 426 euros) e Bragança (desce 3% para 456 euros).