Nuno Ribeiro da Cunha, diretor do private banking do EuroBic e o gestor da conta da Sonangol que efetuou algumas das transferências suspeitas reveladas no caso Luanda Leaks, foi encontrado morto em Lisboa. A notícia, avançada pelo Jornal Económico, foi confirmada pela PSP. O gestor tinha sido constituído arguido na quarta-feira pela Procuradoria-Geral de Angola.

Nuno Ribeiro da Cunha foi encontrado já sem vida na Restelo, onde residia, na noite desta quarta-feira. Em comunicado, a PSP disse ter sido alertada para uma ocorrência pelas 21h30 e que o gestor terá “cometido suicídio na garagem, pelo método de enforcamento”. O Jornal Económico, citando fontes próximas da família, deu conta da mesma possibilidade.

A morte de Cunha foi confirmada “após manobras de reanimação por parte dos meios de socorro, afirmou a mesma força de segurança, salientando que o homem já teria um “historial de tentativa de suicídio”.

Diretor nacional da PJ diz que tudo aponta para que não tenha havido “intervenção de terceiros”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O diretor nacional da PJ, Luís Neves, disse que os elementos recolhidos sobre a morte do diretor do private banking do EuroBic “apontam para que não haja intervenção de terceiros”.

Questionado pelos jornalistas sobre se a PJ tem alguma outra linha de investigação além da de suicídio, Luís Neves respondeu que os dados de que as autoridades dispõem, não só relativos à noite de quarta-feira, como também de outra ocorrência anterior, apontam para que “não haja intervenção de terceiros” nesta morte.

Luís Neves fez estas declarações após a assinatura de um protocolo com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), o Instituto Politécnico de Beja e o Centro de Formação Profissional da Indústria Eletrónica, Energia, Telecomunicaçoes e Tecnologias da Informação para formalizar o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na prevenção e combate aos abusos sexuais de crianças na Internet.

A morte de Nuno Ribeiro da Cunha surge um dia depois de a TVI ter dado conta de um incidente ocorrido no início deste mês de janeiro. No dia 7, Nuno Ribeiro da Cunha foi encontrado pela empregada na sua casa de Vila Nova de Milfontes com ferimentos graves nos pulsos e no abdómen.

À PJ terá dito ter-se tratado de uma tentativa de suicídio ligada a uma depressão, mas os inspetores não terão acreditado e estariam a investigar a possibilidade de uma tentativa de homicídio. Contactado pela TVI, Nuno Ribeiro da Cunha reafirmou a tentativa de suicídio na sequência de episódio de esgotamento e depressão, que disse não estar relacionado com questões profissionais.

Artigo atualizado com as declarações do diretor nacional da PJ