O euro continuou esta quinta-feira a cair para um mínimo desde maio de 2017 face ao dólar, devido a rumores de que o Banco Central Europeu (BCE) vai aplicar mais estímulos monetários.

O euro chegou a cair até 1,0853 dólares a meio da negociação europeia do mercado de divisas.

A desaceleração do setor da indústria transformadora das economias alemã e francesa indica que a economia da zona euro vai demorar tempo a recuperar.

Tendo em conta esta situação prevê-se que o BCE mantenha a política monetária muito expansiva durante bastante tempo, especialmente se mantiver os cálculos de inflação.

Outro fator que está a pressionar o euro é a instabilidade política na Alemanha e a falta de liderança política na maior economia da zona euro, depois da demissão de Annegret Kramp Karrenbauer de presidente da União Democrata Cristã (CDU), porque pode ter consequências para o governo de grande coligação com os sociais-democratas, referem analistas citados pela Efe.

Além disto, o euro também está a ser afetado pelo aumento da procura de ativos seguros, como o dólar ou o iene e o franco suíço, depois de se saber que o número de infetados e mortos pelo coronavírus é mais elevado e que o contágio não foi travado.

A robustez da economia norte-americana também está a impulsionar a compra de dólares, adiantam os analistas.