As autoridades sul-africanas deportaram na semana passada 108 moçambicanos que se encontravam naquele país em situação ilegal, refere um balanço de atividades do Serviço Nacional de Migração (Senami) de Moçambique a que a Lusa teve acesso esta segunda-feira.

Os indivíduos deportados são todos homens e têm idades entre os 18 e os 45 anos, indica o documento. Entre os repatriados, 100 foram enviados para Moçambique, através da fronteira de Ressano Garcia e oito através da fronteira de Ponta de Ouro, ambas na província de Maputo, Sul do país. Permanência por tempo superior ao legalmente permitido em território sul-africano e falta de documentos são as duas principais causas das deportações.

No âmbito do acordo de isenção de vistos, os cidadãos dos dois países só podem permanecer no território do outro por apenas 30 dias, para situações de permanência temporária.

A África do Sul acolhe a maior diáspora moçambicana, residindo naquele país mais de dois milhões de moçambicanos, maioritariamente trabalhadores do setor formal e informal. Os dois países partilham uma extensa linha de fronteira.