A defesa de João Vale e Azevedo pediu a prescrição de mais um processo: desta vez, está em causa um processo no qual é acusado de desviar cerca de cinco milhões de euros relativos a transferências de jogares do Benfica, avança a TVI, lembrando que já passaram 20 anos desde que os alegados crimes foram praticados.

No dia 20 de fevereiro, o tribunal tinha já declarado a prescrição de um dos processos pendentes contra o antigo presidente do Benfica, também pelas mesmas razões. Em causa estavam crimes de peculato e falsificação de documentos relacionados com o desvio de cerca de 1,2 milhões de receitas provenientes de direitos de transmissão de jogos europeus entre 1998 e 1999.

Em 2016, o advogado saiu em liberdade condicional depois de ter cumprido três anos e sete meses de prisão, correspondentes a cinco sextos da pena de 11 anos a que foi condenado por ter desviado fundos do Benfica. A pena não permitia ao ex-dirigente do Benfica ausentar-se mais de cinco dias sem autorização do Tribunal de Execução de Pena. Em setembro de 2018, no entanto, Vale e Azevedo fugiu para Londres, onde vive desde então, pouco antes de ser emitida uma outra condenação de 10 anos de prisão.