O projeto destinado a aumentar a população de lince ibérico submetido a financiamento por Portugal e Espanha, no ano passado, obteve aprovação na fase final de seleção, anunciou esta quarta-feira o Instituto de Conservação da Natureza (ICN).

O “LYNXCONNECT” vai receber financiamento do programa “LIFE ACTION GRANTS”, depois de a União Europeia ter comunicado no mês passado a todos os parceiros que o novo projeto passou nos diferentes critérios de avaliação, “tanto por consistência e qualidade técnico-financeira, como devido ao valor acrescentado”.

O projeto dá continuidade ao anterior “LIFE+Iberlince”, que decorreu entre setembro de 2011 e junho de 2018 e através do qual foi possível introduzir o lince-ibérico em território português, com caráter estabilizado, “o que não ocorria desde o final do século XX”, frisou o ICN, em comunicado.

Este projeto agrega 20 parceiros ibéricos, entre o ICNF, a Infraestruturas de Portugal e a Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL).

Implica um investimento total de 18,5 milhões de euros, cabendo ao ICNF um pouco menos de 1,5 milhões, sendo a taxa de financiamento de 60,67 %, “o que se traduz num financiamento comunitário global de quase 11,4 milhões de euros”, precisou a mesma fonte.

Portugal, através do ICNF, da Infraestruturas de Portugal e da CIMBAL, e com o apoio de outras entidades, pretende “consolidar a população criada entre 2015 e 2018 no Vale do Guadiana, estabelecer pequenos núcleos populacionais que reforcem a conectividade com as subpopulações de Andaluzia, Castilla-La Mancha e da Extremadura espanholas” e, ainda, equacionar a possibilidade de uma nova área de reintrodução, através da avaliação de potenciais territórios que reúnam as condições adequadas de habitat, alimento, continuidade natural e “tranquilidade e aceitação social para o estabelecimento de uma nova população”.