Primeiro houve a confirmação por parte de Luís Filipe Vieira, num encontro com os órgãos sociais, de que iria avançar para um sexto mandato. Depois, João Noronha Lopes anunciou a candidatura com o lema “A glória é nossa”. Seguiu-se Rui Gomes da Silva a oficializar a lista “O Benfica é nosso”. A mais de dois meses das eleições, que ainda não têm data definida mas serão realizadas em outubro, já existiam três candidatos confirmados à presidência dos encarnados e o número aumentou esta segunda-feira. Conforme tinha sido anunciado na véspera pelo movimento “Servir o Benfica”, foi anunciado o nome que irá liderar as listas de um novo projeto que pretende também ir a sufrágio no próximo ato eleitoral: Francisco Mourão Benítez.

Em paralelo, o movimento apresentou também os outros cabeças de lista do movimento: João Pinheiro será o número 1 à Mesa da Assembleia Geral, ao passo que Nuno Leite vai liderar o Conselho Fiscal e Disciplinar.

No vídeo de apresentação, os três candidatos gravaram depoimentos onde explicam o porquê de terem avançado com uma lista às próximas eleições. “Faz sentido a existência de um movimento que congregue diversos sócios apaixonados pelo Benfica e que deles seja escolhido aquele que melhor personifica o sentimento de todos. Sou apenas um das faces de um movimento composto por dezenas de benfiquistas que desde 2013 começou a reunir regularmente para analisar a situação do clube, que participam nas Assembleias Gerais e que percorrem o país em todos os estádios e pavilhões”, começou por referir Francisco Benítez.

“Os benfiquistas não me conhecem, não sou um notável, não tenho fama. Tenho 56 anos e sou sócio há 56 anos. Tive a honra de vestir o manto sagrado do clube no râguebi, ajudando a equipa a vários títulos nas camadas jovens. Sou licenciado em marketing e no meu percurso profissional passei pela área da publicidade, industrial e de grande distribuição. Hoje assumo-me como um empresário e fundei com dezenas de sócios a AB, a Associação de Adeptos Benfiquistas”, prosseguiu, dizendo que a OPA “foi a gota de água” para avançar com uma lista às eleições que quer lutar por um Benfica “mais transparente, mais competente e mais ganhador”. 

“Queremos servir o Benfica e vencer no futebol mais do que os nossos adversários juntos. Como? Com uma administração da SAD composta na maioria por benfiquistas com muita experiência de futebol, uma direção desportiva que seja a personificação das direções da administração, gerindo todo o futebol da formação à equipa principal. Queremos recuperar o nosso lugar na Europa do futebol, garantindo os nossos melhores jogadores por mais tempo e recompensando-os. Temos o sonho de voltar estar entre os maiores da Europa, contratando menos mas acertando mais”, acrescentou o quarto candidato às eleições do Benfica.