331kWh poupados com o
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo MEO

Veja as melhores ofertas de telecomunicações aqui.

Pepe, um capitão em formato Benjamin Button que não consegue fazer tudo por todos (a crónica do Sporting-FC Porto)

Este artigo tem mais de 1 ano

Esteve na Seleção e foi dos melhores. Chegou ao FC Porto para ser capitão e foi dos melhores. Ainda assim, Pepe não conseguiu evitar o empate do FC Porto com o Sporting em Alvalade (2-2).

O central português assumiu a braçadeira de capitão na sequência da saída de Danilo para o PSG
i

O central português assumiu a braçadeira de capitão na sequência da saída de Danilo para o PSG

AFP via Getty Images

O central português assumiu a braçadeira de capitão na sequência da saída de Danilo para o PSG

AFP via Getty Images

Obrigado por ser nosso assinante. Beneficie de uma navegação sem publicidade intrusiva.

“Danilo Pereira, o capitão que esta quarta-feira foi titular devido à lesão de Sérgio Oliveira, tornou-se o símbolo de uma equipa de Sérgio Conceição que acredita na reabilitação, na resolução e na recuperação. Danilo começou a temporada dispensado de um estágio, depois de uma discussão com o treinador, chegou a recusar usar a braçadeira e acabou a época no banco de suplentes, afastado do onze inicial. Mas no jogo decisivo, no jogo que deu o título ao FC Porto, foi Danilo quem apareceu a desbloquear o resultado e a abrir o marcador. Como super-herói renascido das cinzas”

A meio de julho, do passado mês de julho, era assim que terminava a crónica do Observador sobre o jogo entre FC Porto e Sporting, no Dragão, que acabou por garantir a conquista do título aos dragões. O grande destaque era Danilo, que tinha marcado um golo e que era assim a figura maior e o símbolo de uma equipa que tinha perdido um troféu para o Sp. Braga, que tinha visto o treinador colocar o lugar à disposição, que tinha passado a época quase sempre atrás do Benfica e que acabou por alcançar uma recuperação assinalável na retoma. Este sábado, no primeiro Clássico da nova temporada, a ausência de Danilo acaba por ser a figura maior e o símbolo de uma equipa que perdeu duas referências, que se reforçou na reta final do mercado e que quer obter uma evolução na continuidade que permita lutar novamente pelo Campeonato.

Se Danilo e Alex Telles saíram do FC Porto, Acuña e Wendel saíram do Sporting: e assim, as duas equipas perderam dois elementos que nos últimos anos foram regularmente titulares durante quase toda a temporada. Este sábado, em Alvalade, era a primeira vez que tanto Rúben Amorim como Sérgio Conceição apresentavam de forma mais definida e definitiva quais é que serão as soluções para os próximos meses, quais é que serão os substitutos dos que saíram e qual será o papel dos nomes que chegaram nas últimas semanas.

Apesar da eliminação precoce às mãos do LASK na Liga Europa, o Sporting chegava a este Clássico sem golos sofridos nas duas jornadas que disputou, com quatro golos marcados e com os mesmos seis pontos que o FC Porto — que derrotou Sp. Braga e Boavista mas caiu com o Marítimo no Dragão antes da pausa para os compromissos das seleções. Com menos um jogo disputado, devido ao adiamento da jornada inaugural com o Gil Vicente devido aos casos positivos de Covid-19 nas duas equipas, os leões tinham este sábado o primeiro grande desafio da época. E Rúben Amorim lançava no onze aquele que acabou por ser o reforço mais improvável do mercado de verão que terminou recentemente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

João Palhinha, que foi reintegrado depois do fim do empréstimo ao Sp. Braga, tinha selo de transferência desde que voltou a entrar em Alcochete. A ideia geral que pairava no universo leonino era de que o médio português ia sair novamente do Sporting, desta feita a título definitivo, e rumar a outras paragens. Mas Palhinha ficou, renovou contrato e este sábado era titular frente ao FC Porto. Contra os dragões, Amorim arriscava ainda uma novidade tática: Tiago Tomás era suplente e Matheus Nunes entrava na equipa para reforçar o meio-campo, onde aparecia junto a Palhinha, com Matheus Nunes e Porro mais perto das alas e Nuno Santos e Pedro Gonçalves no apoio a Jovane. João Mário integrava a convocatória pela primeira vez e era suplente, assim como Vietto.

Do lado do FC Porto, Sérgio Conceição não surpreendia nada e colocava Zaidu, antigo lateral do Santa Clara, no lugar que era de Alex Telles. Corona ocupava um lugar no trio ofensivo, com Luis Díaz no lado contrário e Marega no eixo do ataque, e Otávio, Sérgio Oliveira e Uribe formavam o grupo do meio-campo. Ainda sem Grujic e Sarr, os reforços Toni Martínez, Taremi, Nanu e Felipe Anderson começavam no banco de suplentes.

O FC Porto começou melhor e obrigou Adán a uma intervenção atenta logo no primeiro minuto, depois de um livre batido por Sérgio Oliveira. O Sporting respondeu logo nos instantes seguintes, com um primeiro ensaio em que Nuno Santos roubou a bola a Manafá na esquerda, combinou com Jovane e tentou encontrar Pedro Gonçalves com um cruzamento rasteiro (3′), e o golo acabou por aparecer pouco depois. Matheus Nunes teve nos pés a melhor oportunidade até então, ao aparecer na cara de Marchesín e permitir uma grande defesa do argentino (8′), e o banco de suplentes ainda se recompunha desse lance quando Nuno Santos decidiu tornar-se protagonista: cruzamento largo na direita, Mbemba desviou de cabeça para trás e o médio ex-Rio Ave, de primeira e sem deixar a bola cair, atirou em força para dentro da baliza (9′).

O Sporting estava melhor no plano ofensivo e obrigava sempre o FC Porto a deixar pelo menos três elementos numa zona mais recuada, já que o trio Nuno Santos/Jovane/Pedro Gonçalves raramente descia para defender e ficava sempre no meio-campo adversário. Ainda assim, os leões estavam muito permissivos no setor defensivo, principalmente no lado esquerdo, e Corona ia tendo muita liberdade para aparecer já dentro da grande área a procurar cruzamentos curtos e letais. Foi assim que Uribe quase marcou, ao cabecear por cima depois de um lance brilhante do mexicano (13′).

O FC Porto foi crescendo na partida e acabou por conseguir chegar ao empate num lance onde, mais uma vez, foram visíveis as fragilidades defensivas dos leões. Zaidu tirou um cruzamento na esquerda e Uribe — que esta temporada aparece frequentemente em zonas de finalização, algo pedido por Sérgio Conceição desde a pré-época –, totalmente sozinho, rematou para dentro da baliza (25′). O Sporting respondeu ao golo sofrido principalmente a partir de Pedro Gonçalves, que estava muito móvel na faixa direita do ataque mas aparecia a oferecer soluções em espaços interiores e ia sendo o elemento ‘mais’ da equipa: tendo até uma oportunidade para marcar, quando apareceu na cara de Marchesín mas viu o argentino responder novamente com uma grande defesa (44′).

Já perto do intervalo, numa fase em que o Sporting até estava mais perigoso e só se adivinhava o fim da primeira parte, Corona acabou por tirar um coelho da cartola para confirmar a reviravolta. Luis Díaz perdeu a bola na grande área dos leões e o mexicano recolheu, tirou Feddal da frente com um pormenor delicioso e picou por cima e Adán, colocando o FC Porto a ganhar pela primeira vez na partida (45′). Luís Godinho assinalou grande penalidade de Zaidu sobre Pedro Gonçalves, mostrou o segundo cartão amarelo e expulsou o lateral dos dragões mas foi ao VAR, reverteu as duas decisões, nem sequer marcou falta e acabou por expulsar Rúben Amorim por protestos.

[Carregue nas imagens para ver alguns dos melhores momentos do Sporting-FC Porto:]

Na segunda parte, o treinador leonino — já a partir da bancada — tirou um apagado Jovane para lançar Vietto e a partida entrou numa fase algo incaracterística. O jogo partiu, fator também motivado pelas substituições que se seguiram, e a qualidade técnica e tática começou a dar lugar a uma combatividade muito intensa mas sem grandes consequências práticas. Conceição colocou Toni Martínez e Felipe Anderson em campo e Amorim fez all in com a saída de Luís Neto para a entrada de Tiago Tomás, com Nuno Mendes a recuar no relvado para ocupar o lugar vago no trio defensivo.

Numa segunda parte em que o FC Porto se demitiu quase por inteiro do jogo, sem procurar o terceiro golo e a limitar-se a controlar o resultado para não ser obrigado a sofrer nos instantes finais, o Sporting não foi capaz de impor alguma intensidade ou criatividade na partida e acabou por oferecer ao adversário exatamente aquilo que ele queria — um encontro lento, sem oportunidades, sem lances de perigo. Pedro Porro ainda rematou ao lado (75′), João Mário voltou a Alvalade e jogou os últimos dez minutos, Toni Martínez, Felipe Anderson e Nanu estrearam-se pelos dragões. Mas os únicos momentos de emoção da segunda parte apareceram já mesmo ao cair do pano.

A dois minutos dos 90′, João Palhinha roubou uma bola a Felipe Anderson, abriu em Tiago Tomás na direita e o jovem avançado cruzou rasteiro para a grande área; Sporar desviou de calcanhar ao primeiro poste, Marchesín defendeu e Vietto, na recarga, conseguiu empatar o resultado (88′). Até ao fim, Taremi ainda entrou e rematou ao lado (90+2′) mas o marcador não voltou a alterar-se, terminando com o empate no primeiro Clássico da época.

O Sporting mantém-se invicto no Campeonato mas continua sem impressionar, o FC Porto leva o segundo jogo seguido sem conseguir ganhar e voltou a mostrar alguma fragilidade na hora de segurar a vantagem e aumentar os números para poder descansar. Pepe, que é agora o capitão na sequência da saída de Danilo, está num momento assinalável de forma que faz lembrar a história de Benjamin Button, que ficava mais novo com o avançar dos anos — mas não é capaz de fazer tudo por todos, de ser tudo para todos e de evitar os erros dos outros.

A página está a demorar muito tempo.