O presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, insistiu esta segunda-feira na “urgência” do prolongamento da Autoestrada 28 (A28) até Valença para “aliviar” o tráfego, sobretudo, de veículos pesados, na Estrada Nacional (EN) 13.

A reivindicação de Fernando Nogueira foi reafirmada esta segunda-feira aos deputados do PSD eleitos pelo círculo de Viana do Castelo à Assembleia República. Os três deputados do PSD “mostraram-se sensíveis aos argumentos apresentados, comprometendo-se a pugnar por este assunto nas instâncias próprias”.

Em comunicado enviado às redações, o autarca independente (Movimento independente PenCe – Pensar Cerveira), explicou que o encontro Jorge Mendes, Eduardo Teixeira e Emília Cerqueira teve como “tema central” o prolongamento da A28 para norte, troço com uma extensão de cerca de 30 quilómetros.

A autoestrada A28 liga o Porto a Caminha, passando por Viana do Castelo. O troço entre a capital do Alto Minho e a freguesia de Vilar de Mouros, no concelho de Caminha, foi inaugurado em 2005 pelo então primeiro-ministro José Sócrates. Tem uma extensão de 25 quilómetros e custou cerca de 160 milhões de euros.

Esta segunda-feira, na “reunião de trabalho” com os deputados do PSD, na qual também marcou presença o presidente da Câmara de Valença, o social-democrata Manuel Lopes, Fernando Nogueira disse ter reforçado “a urgência deste prolongamento, como forma de aliviar o tráfego, especialmente de veículos pesados de mercadorias que transitam na EN13”.

Segundo o autarca, “muitos” desses veículos pesados transportam “matérias potencialmente perigosas para as pessoas e para o ambiente, revelando-se um grande constrangimento para as freguesias do concelho que são circundadas por aquela via”.

Fernando Nogueira acrescentou que, “em determinados períodos do dia e, em particular, na época de verão, é um autêntico calvário atravessar a EN13 entre Valença e o acesso da A28 em Gondarém” — situação que decorre do “volume de tráfego que vem desde os municípios de Melgaço, Monção e Valença, além de Espanha, através da fronteira Valença-Tui”.

Além da segurança, o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira acrescentou que, “volvidos dez anos de uma beneficiação paliativa na EN13, já é visível o resultado no piso” daquela via. Segundo o autarca, “os três deputados sociais-democratas compreenderam a preocupação, garantindo levar o assunto às entidades nacionais competentes”, tendo ainda a oportunidade de visitar o local de acesso à A28, em Gondarém.

O prolongamento da A28 para norte “é uma reivindicação de todos os municípios do Alto Minho”. Há “vários anos” que o autarca de Vila Nova de Cerveira vem insistindo “na necessidade de recolocar esta problemática na agenda política e orçamento nacionais, tendo já a oportunidade de a apresentar aos sucessivos ministros da tutela e, ultimamente, ao governante Pedro Nuno Santos”.