O presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, reivindicou esta quarta-feira solidariedade nacional e europeia, no quadro do programa de resiliência, que contribua, “no imediato”, com envelopes financeiros para apoiar a economia e o emprego.

Gostaria de deixar a todos a sensibilidade para podermos fazer conjunto da justa reivindicação que possa competir à região, aos parceiros sociais e ao Governo da Região Autónoma dos Açores, para que a solidariedade nacional, sobretudo a solidariedade europeia, através do plano de recuperação e resiliência, possa contribuir, no imediato, para encontrarmos os envelopes financeiros suficientes para apoiar a continuidade e a recuperação das atividades económicas”, declarou o chefe do executivo açoriano.

José Manuel Bolieiro (PSD) falava – naquele que foi o seu primeiro ato público, após a posse do novo executivo açoriano, terça-feira, no parlamento regional – através de uma videoconferência subordinada ao tema “Plano de Recuperação Económica — Oportunidades e Desafios para os Açores”, promovida pela Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, no âmbito do seu 185.º aniversário.

O presidente do Governo Regional, de coligação PSD/CDS/PPM, considerou que os envelopes financeiros irão também permitir “através das empresas a conservação e manutenção do emprego e, sobretudo, a consolidação justa de estabilidade social, para evitar nova pobreza e exclusão”.

O governante apontou que “sem meios torna-se difícil tornar o planeado em concretização” em termos de políticas públicas para fazer face à crise económica gerada pela pandemia da covid-19.

José Manuel Bolieiro espera receber dos parceiros sociais contributos, no âmbito de um “diálogo social” que “em democracia deve ser constante”.

[Defendeu que] um plano estratégico para os Açores não pode ser senão de médio e longo prazo, tendo que se considerar as emergências com que os Açores são confrontados, em particular por razões epidemiológicas e de saúde pública que a pandemia da Covid-19 trouxe, e as suas consequências na sociedade e na economia”.

O presidente do Governo dos Açores saudou “a capacidade estimulante, e quiçá surpreendente, mas no bom sentido positivo, da reação da Comissão Europeia, admitindo uma resposta pronta para reagir às consequências económicas e sociais que a pandemia trouxe”.

José Manuel Bolieiro referiu ainda que o Programa do Governo, a submeter ao parlamento, vai dar consequência ao programa eleitoral do PSD, em parceira com as outras duas forças políticas que formam o novo Governo dos Açores, CDS-PP e PPM.