Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O grupo britânico Jaguar Land Rover (JLR) vai reforçar a sua oferta de veículos eléctricos. Depois de ter surpreendido a indústria e os rivais com o crossover I-Pace, as duas marcas do grupo preparam-se para lançar novos modelos alimentados exclusivamente por bateria, entre os quais o XJ, o topo de gama da Jaguar. E tem alguns truques na manga para melhorar a sua eficiência energética.

O peso é mais importante num veículo eléctrico do que nos equipados com motor de combustão, um pouco à semelhança do que acontece com a aerodinâmica. Daí que todo o esforço para reduzir o peso compense com uma autonomia maior, para a mesma capacidade da bateria. E foi por essa razão que a JLR investiu em novos materiais para criar chassis mais leves que, simultaneamente, conferem uma maior rigidez ao veículo.

A tecnologia desenvolvida passa pelo uso de ligas de alumínio, reforçadas com aço e materiais, essencialmente fibra de vidro e fibra de carbono. Estes últimos visam sobretudo, baixando o peso, incrementar a rigidez torcional, o que melhora o comportamento, o consumo e as emissões.

Este projecto da JLR, conhecido como Tucana, está previsto ter a duração de quatro anos, durante os quais vai contribuir para incrementar a rigidez dos modelos do grupo em 30%, enquanto ganha 35 kg no peso, o que significa cerca de 15 a 20%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR