As autoridades de saúde francesas vão anunciar esta sexta-feira que os cidadãos com menos de 55 anos que já receberam uma dose da vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford deverão ser vacinados com uma segunda dose da Pfizer ou da Moderna, de acordo com a agência Reuters.

O país já se tinha antecipado às autoridades europeias quando, a 19 de março, decidiu suspender a administração da vacina da AstraZeneca a pessoas com menos de 55 anos de idade devido à possível associação entre a toma da vacina e o surgimento de episódios raros de coágulos sanguíneos em pessoas mais novas.

Uma decisão semelhante foi tomada em Portugal esta quinta-feira quando a DGS, o Infarmed e a task force de vacinação anunciaram que a vacina da AstraZeneca deixaria de ser administrada a pessoas com menos de 60 anos de idade. A decisão portuguesa seguiu-se ao anúncio por parte da Agência Europeia do Medicamento de que a maioria dos casos graves registados ocorreram em mulheres abaixo dos 60 anos.

AstraZeneca. Que impacto terá a limitação por idades? E porque se escolheram os 60 anos?

A questão da segunda dose para aqueles que, estando abaixo da idade limite, já receberam uma vacina da AstraZeneca foi uma das perguntas que ficaram por responder em Portugal — com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a dizer que no período entre tomas (12 semanas) é expectável que haja mais informação sobre o problema.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em França, porém, a decisão deverá ser anunciada já esta sexta-feira. Todos aqueles com menos de 55 anos que já receberam uma vacina da AstraZeneca vão ser vacinados, na segunda dose, com uma vacina de RNA mensageiro — como a da Pfizer ou a da Moderna, as duas além da AstraZeneca já aprovadas em França.

A notícia foi avançada pela Reuters citando duas fontes conhecedoras da decisão.