Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O FC Porto ganhou na segunda mão dos quartos ao Chelsea mas acabou por ser eliminado, vendo assim gorada a possibilidade de defrontar nas meias da Liga dos Campeões o vencedor do duelo entre Liverpool e Real Madrid. O Bayern ganhou na segunda mão dos quartos ao PSG mas acabou por ser eliminado, vendo assim gorada a possibilidade de defrontar nas meias da Liga dos Campeões o vencedor do duelo entre Manchester City e B. Dortmund. Agora, FC Porto e Bayern podem entrar nas meias da Champions. No limite, podem até discutir entre si a presença na final da Champions. Confuso? Tudo advém da confusão gerada pela Superliga Europeia.

Depois de Aleksander Ceferin, presidente da UEFA, ter fintado qualquer decisão em relação a possíveis castigos aos clubes que integram a nova prova e estão nas meias da Liga dos Campeões (todas menos o PSG), Jesper Moller, presidente da Federação Dinamarquesa de Futebol e membro do Comité Executivo da UEFA, deixou o primeiro sinal de que as sanções a esta medida “radical” podem ser tomadas ainda na presente temporada.

“Haverá um Comité Executivo extraordinário esta sexta-feira. Penso que os 12 clubes serão expulsos da Liga dos Campeões e da Liga Europa. Espero que a UEFA impeça o Real Madrid, o Manchester City e o Chelsea de disputarem as meias-finais da Champions esta época. Esses clubes [fundadores da Superliga Europeia] vão deixar as competições da UEFA. Penso que isso acontecerá sexta-feira”, referiu ao canal dinamarquês DR, visando também o Manchester United e o Arsenal, que estão nas meias-finais da Liga Europa.

Moller foi ainda mais longe e levantou o véu em relação a uma pergunta legítima que se tem levantado nas últimas horas: se os jogadores forem mesmo proibidos de jogar as fases finais de Europeus e Mundiais em representação das suas seleções (pelo menos estas), terão de ficar na mesma nos clubes “dissidentes”? “Os acordos em vigor tornam-se nulos quando os clubes deixam as estruturas atuais. Os jogadores são livres para decidir se fazem parte de uma comunidade, desde que mostrem a sua solidariedade em relação aos restantes intervenientes”, respondeu o dinamarquês, assumindo essa possibilidade de saída dos atletas.

Esta noite, a imprensa alemã, nomeadamente o Bild, avançou com essa possibilidade de forma concreta, dizendo que, confirmando-se esse cenário de exclusão das equipas “dissidentes” das provas europeias da presente época, as três vagas serão ocupadas por Bayern, B. Dortmund e FC Porto, as três equipas eliminadas que não integram a Superliga Europeia, ficando depois por saber se existe uma substituição direta para os jogos PSG-B. Dortmund e FC Porto-Bayern ou se haverá um novo sorteio. A outra possibilidade em caso de exclusão de Real Madrid, Manchester City e Chelsea passa por atribuir de forma direta o título ao PSG, único apurado “não dissidente”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR