763kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Franjas, micro-micro-micro calções e uma salada de frutas familiar: 8 destaques da Semana da Moda de Milão

Do new basic da Benetton, entre bananas e flores, às estreias na Gucci e Tom Ford. Pelo caminho, uma Prada irrepreensível e uma viagem em primeira classe com a Bottega.

Um convite em forma de relógio sintonizou o público com o intercâmbio de gerações, a passagem de testemunho e as propostas Benetton para toda a família.
i

Um convite em forma de relógio sintonizou o público com o intercâmbio de gerações, a passagem de testemunho e as propostas Benetton para toda a família.

Giovanni Giannoni

Um convite em forma de relógio sintonizou o público com o intercâmbio de gerações, a passagem de testemunho e as propostas Benetton para toda a família.

Giovanni Giannoni

Seria um throwback — se por acaso não tivessem estado sempre no nosso pensamento. O tempo é de Supermodels, em formatos especiais do streaming e também nos lugares de destaque dos principais desfiles da temporada. Em plena Semana da Moda de Milão, que assistiu até esta segunda-feira às propostas para a próxima primavera-verão, a Fendi, fê-las acampar na primeira fila. Na Versace, as honras de encerramento couberam a Claudia Schiffer. Atrás das cortinas, pesos igualmente pesados protagonizam entradas e saídas de cena.

Peter Hawkings estreou-se na Tom Ford com uns laivos de Gucci, onde por sua vez se estreou Sabato De Sarno (e o mundo ainda está a deliberar sobre o veredito final); a Moschino celebrou a grande festa dos 40 anos; a Off White convocou a fauna da Moda até ao estádio de San Ciro para o evento Ac Milan; o mago Armani pintou a passerelle de azul e rosa; e a Avavar desconstruiu todos os códigos a desfilar. Numa capital tão quente quanto chuvosa, o que fica do que passa podia ter muitos mais capítulos. Aqui ficam oito para registar.

Benetton

Depois dos coelhos e cogumelos, e da inédito introdução das não cores preto/branco/cinzento na paleta outono inverno 23 da Benetton, eis uma fresquíssima salada de frutas para toda a família, ou “Be On”, um interruptor que aciona a natureza da marca italiana, fundada em 1965. Sinónimo de cor, a identidade e cosmopolitismo renovam-se agora entre morangos e mirtilos, morangos e margaridas. O resultado é um new basic à base de polos em piqué e jersey, riscas (um dos códigos da marca), coletes clássicos, cardigãs, calções, e os jogos de contrastes permitidos pela técnica vanisé.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

62 fotos

No Museo della Permanencia, bananas e flores gigantes recebem a fauna de convidados, pontualmente guiada por um convite/relógio acertado para a hora do desfile e que aponta para esse intercâmbio de gerações. De Anna Dello Russo a Scott Schuman, aka The Sartorialist, de Fiammetta Cicogna a Marta Lozano, sem esquecer o CEO da marca, Massimo Renon, e ainda um contingente português na primeira fila: Ana Guiomar, Catarina Maia e Mariana Machado, está formada a vasta comunidade Benetton, onde cabe uma família inteira.

É uma “pergunta difícil” no rescaldo do desfile, admite ao Observador o designer em plenos bastidores, mas Andrea Incontri, o mesmo que devolveu o ADN italiano à marca de Treviso, não hesita sobre o propósito da coleção — e sobre os seus looks preferidos: “São os primeiros três”. Uma combinação de cores ao melhor estilo Benetton, tão simples quanto complexos na sua coordenação bem sucedida, com o detalhe de um cós que reforça o apontamento colorido. “A minha referência é apenas a Benetton”, resume Incontri. Camisolas com ponto de tricot loop, polos que tanto revisitam modelos clássicos como se apresentam em versão crop ou sujeitos a um styling que os reconverte em práticos vestidos, camisas com riscas, e as convidativas pillow bags, a maxi carteira feita por medida para horas de espera em aeroportos e afins (soubéssemos nós que o voo de regresso a casa estava atrasado).

Prada

Menos storytelling, mais técnica a preceito. Uma fórmula Prada com dois nomes de peso na equação: Miuccia e o co-criador Raf Simons (duo dinâmico desde 2020), para um resultado final que é provavelmente uma das melhores coleções dos últimos tempos da casa italiana. Uma demonstração de ritmo e leveza, a dupla de imperativos reinantes numa corte de sedas e organza, texturas e camadas subtis, e ainda ombros superlativos sobre delicadas silhuetas e reveladoras franjas. A cair do teto, no cenário da Prada Fondazione, slime cor de rosa, se dúvidas faltassem de que a etiqueta de luxo, ao contrário de outros (?), está um passo à frente na sintonia com o contemporâneo. Ao cair do pano, a entrada em cena de um terceiro elemento para colher os aplausos na hora da partida: Fabio Zabernardi, dedicado ao design de produto durante 40 anos.

GettyImages-1694100315

GettyImages-1694100945

© Prada

Gucci

Terraplanar para reajustar o passo — pelo menos no Instagram, onde as anteriores publicações se eclipsaram para acolher a aguardada estreia de Sabato De Sarno ao leme da Gucci, o senhor que se segue a Alessandro Michele. A chuva intermitente em Milão forçou a mudança de planos e localização em cima da hora — na verdade, só começou a pingar pouco antes da hora da apresentação, uma bênção molhada que validou este recurso. De resto, nada que ameaçasse o ritmo deste peso pesado da moda de luxo, que na passada sexta-feira inaugurou novo bastião no trendy bairro de Brera (mas foi na Via Mecenate, 77, e não aqui, que a ação decorreu). Depois do regresso de Daria Werbowy e da maré rubra que varreu o universo Gucci nos últimos tempos, a coleção de arranque. “É um mapa. É muito pessoal, é sobre os meus desenhos, as minhas sensibilidades, as minhas paixões. São estes os elementos que quero continuar a explorar na Gucci”, avançava a marca nas suas redes. Pelas 15h00, desfilou uma armada de calções mínimos e acessórios maxi, soutiens brilhantes e hoodies premium sobre saias pencil com aberturas, plataformas, kiten heels e práticos ténis; denim e vestidos trapézio curtos; muito brilho, alguma logomania e uns quantos básicos. Em suma, digestão feita e acalmada a euforia, tudo pronto a vestir quase em exclusivo pela geração Tik Tok? “Ancora”, a coleção SS24, fechou ao som de Panorama Channel, de Kinly Estellar, e da voz de Mina, saída de um tempo em que os dias não se resumiam a imediatismo puro. Sobre o futuro, logo se vê.

Tom Ford

Mais uma estreia, agora a de Peter Hawkings na direção criativa da Tom Ford, depois de 25 anos de trabalho na equipa de design da casa. Apontado ao cargo em abril passado, o rosto que rendeu Tom Ford após a venda da marca ao grupo Estée Lauder, segue a generalidade dos códigos do predecessor para um desfecho que não falha nem esbanja surpresa — o que não é necessariamente mau. Blusas de seda, saltos agulha, casacos croco, vestidos sensuais, fatos sofisticados e lentes escuras avantajadas povoam o cortejo com menos transparências ou provocação servidas pelo epónimo. E se para alguns faltou Gucci à Gucci, para outros ela esteve leve e nostalgicamente presente neste ensaio que deambulou pelo melhor dos anos 90.

GettyImages-1695061329

© Getty Images

The Attico

De hit girls das semanas da Moda à primeira apresentação da marca que criaram em 2016 — para conquistar nomes como Rihanna ou Dua Lipa e garantir o fervor em torno da The Attico. Pela primeira vez a apresentar na Semana da Moda, Gilda Ambrosio e Giorgia Tordini trouxeram a coleção para a rua, na zona residencial de Arco della Pace, e instalaram os convidados em cadeiras de pele. E por convidados falamos de não menos que o próprio diretor criativo da Gucci, a designer de calçado Amina Muaddi, a influencer Chiara Ferragni ou a atriz Sabrina Impacciatore (mais conhecida pela participação na série White Lotus). A partir das janelas e varandas, novos espectadores reforçavam a assistência, que seguiu a banda sonora pulsante, entre brilhos e longos trench coats, roupa que não se deixa capturar pelo binómio dia/noite e acessórios que serão alvo de cobiça mal sejam colocados à venda.

Fendi

“Bom, os meus amigos vieram. Esta coleção é muito bonita e queria que toda a gente a visse”. Foi assim, citado pela Vogue, que Kim Jones desdramatizou o aparato mediático perante o superavit de fama na primeira fila da Fendi. Em semana de estreia de Supermodels (Apple Tv), com direito a festa de lançamento em Milão, a guest list do desfile incluiu Linda Evangelista, Naomi Campbell, Amber Valletta, Kate Moss, Demi Moore, Cara Delevingne, e Gwendoline Christie. Carteiras icónicas, cargo ou mini, blocos de cor e estrutura (dos tons quentes ao azul bebé), e camisolas amarradas sobre vestidos e camisas, marcaram o passo numa coleção inspirada num safari — e uma das mais imponentes de Jones até à data — que em bom rigor não merece ficar ofuscada pelas luzes da ribalta que repousaram quase me exclusivo sobre as celebridades.

GettyImages-1692739399 GettyImages-1677732015 GettyImages-1692673317 GettyImages-1692743111

Getty Images

Tod’s

Na Tod’s o aceno do adeus é protagonizado por Walter Chiapponi, e o arriverdeci não poderia premiar mais a excelência do made in Italy. Rumo à essência do design e à qualidade exímia na produção, da Fabbrica da marca sai uma primavera-verão elegante, sofisticada e tão intemporal como a diva Sharon Stone, sentada na primeira fila. Pelo cenário do Laboratori Scala Ansaldo, onde laboram muitos dos artesãos envolvidos no processo de confeção desfilou o aprumo de roupa e acessórios, dos trench às luvas e bolsas de cintura em pele, numa paleta elegante que vai do camel ao azeitona, para usar e abusar sem risco de deslizes de estilo.

Bottega Veneta

Mathieu Blazy continua a arrancar “uaus!” (vertíeis em diferentes línguas, tantas quanto o universo BV conseguir abarcar). Pecaria por escasso atribuir esse assombro à omnipresença e fotogenia dos seus acessórios nas redes de todos os sociais. A resposta, com toda a sua ondulação orgânica, desde que em 2021 assumiu os destinos criativos da marca italiana desfilou sem hesitações pela semana da Moda de Milão. Inspirado pelo movimento da viagem, herança e artesania transfiguram-se num caminho de progresso, consertando o aqui e agora com o que está por vir. Não é preciso mapa, como aqueles que as manequins traziam nas suas carteiras maxi, para concluir que a cartografia é exemplar.

GettyImages-1698333244 GettyImages-1684541053 GettyImages-1688539437 GettyImages-1688540307

Getty Images

O Observador viajou a convite da Benetton.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.