804kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

E se elas não morressem no fim?

A nova criação da Mala Voadora é um mosaico composto por árias de óperas em que as protagonistas morrem no fim. "It’s Not Over Until The Soprano Dies" sobe ao palco do São Luiz de 12 a 14 de janeiro.

A partir de 30 óperas clássicas, o espectáculo recorda o papel das mulheres neste género artístico
i

A partir de 30 óperas clássicas, o espectáculo recorda o papel das mulheres neste género artístico

Estelle Valente/Teatro São Luiz

A partir de 30 óperas clássicas, o espectáculo recorda o papel das mulheres neste género artístico

Estelle Valente/Teatro São Luiz

Carmen é uma mulher cigana, conhecida pela sua beleza e pelo seu jeito sedutor. De personalidade forte e libertária, acaba assassinada por Don José, apunhalada no ventre por este, depois de recusar o seu amor. Ao compor esta ópera, o compositor francês Georges Bizet (1838-1875) não estava apenas a criar umas das peças mais celebradas de sempre, estava também a dar vida a uma personagem feminina que será para sempre recordada pelo seu lado transgressor – até mesmo face à tradição clássica das óperas escritas até então. A Carmen, como criada por Bizet, é dona do seu próprio destino, mas também ela sucumbe na sua condição de mulher face ao patriarcado. O seu nome surge ao lado de muitas outras protagonistas femininas de óperas clássicas que, de forma quase normativa, morrem no fim das mesmas – por amor, doença ou simplesmente pela violência desmesurada. É este o ponto de partida de It’s Not Over Until The Soprano Dies, a nova criação da companhia de teatro Mala Voadora que, a partir de 30 óperas clássicas, recorda o papel das mulheres neste género artístico. Sobe ao palco do Teatro São Luiz, em Lisboa, de 12 a 14 de janeiro.

Antes mesmo de entrarmos no dispositivo que se revela uma verdadeira medley de árias – algumas delas tão estilizadas pelo tempo como pela cultura pop – chega-se à frente da cortina o Prólogo que, tal como nas tragédias gregas, anuncia a temática da narrativa a que vamos assistir. “Quando esta cortina se abrir, vereis amar como se amam os seres humanos; do ódio vereis os tristes frutos. Ouvireis os gritos de dor, os uivos de raiva e risos cínicos”, explica, colocando-nos em pé de igualdade como espetadores. Tal como na ópera, também a vida é pontuada de tragédias e importa relembrar como na história muitas vezes se esquecem os subjugados e o sofrimento que estes enfrentam. É sabido: muitas óperas acabam mal e quase sempre com a morte de mulheres. O título desta criação da Mala Voadora remete para um artigo de Paul Robinson publicado no New York Times, em 1989, a propósito de um livro de Catherine Clement que recorda como a ópera nos seduz pelo poder da música e pelas vozes das grandes sopranos a que deu estrelato, mas como também mata as suas personagens, sem que ninguém se dê realmente conta do impacto dessa perda.

Foi “um certo menosprezo” que levou o encenador Jorge Andrade a debruçar-se sobre a história das óperas, em particular do século XIX

Estelle Valente/Teatro São Luiz

Foi justamente esse o fator de “um certo menosprezo” que levou o encenador Jorge Andrade a debruçar-se sobre a história das óperas, em particular do século XIX. “Quando as vemos em sequência percebemos a mortandade com que a maioria destas obras termina. E o público aplaude efusivamente a interpretação das cantoras, aplaudindo ao mesmo tempo a morte das mulheres que elas interpretam, só que passa ao lado o que estas sofreram. Se as colocarmos todas juntas parece um circo romano, marcado por uma banalidade de violência”, sintetiza. A partir dessas mortes – algumas delas bastante épicas – recorda-se o legado destas personagens que derrubaram preconceitos. No meio disso, há mortes por ciúmes, como se vê em Otelo, o suicídio da Tosca ou a morte por envenenamento, como se assiste em Lakmé ou em Suor Angelica. Conjugam-se elementos que tanto andam de mãos de dadas, como são mote de cisão: amor e ódio, fidelidade e traição, comédia e drama.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma casa de bonecas caídas

Para recriar todo este espírito, entretanto levantada a cortina, o espaço em que tudo se passa parece, à partida, paradoxal. No cenário de It’s Not Over Until The Soprano Dies encontra-se uma casa (poderia ser um apartamento fotografado por Jeff Walls), toda ela mobilada, com cozinha, casa de banho, sala de jantar, sala de estar e quartos para dormir. Por um momento, esquecemos os cenários de grande pompa e circunstância das óperas que aqui reverberam e as árias ganham um eco singular face à atualidade. Além disso, entre as sopranos e os tenores, há diversos intervenientes em palco, num momento de convívio aparentemente saudável, entre jogos, conversas e comida partilhada por todos. “É uma casa onde as pessoas continuam a viver o seu quotidiano de forma normal, apesar das mortes que vão ocorrendo ao longo da peça. Não queríamos colocar estas árias no ambiente em que foram apresentadas, mas num cenário que é absolutamente comum a todos no presente”, sublinha Jorge Andrade.

Nessa mesma opção estética, não deixa de existir uma ironia e humor latente face ao que vai sucedendo de trágico. Ao recriar finais de óperas, as sopranos vão caindo em palco, uma a uma, substituídas por bonecas em tamanho real, que ali permanecem até ao fim da encenação. O cenário torna-se, à medida que se entoam as diferentes árias, mais dantesco e bizarro. Ao passo que no resto da ação reina um certo hedonismo, por outro somos confrontados com as mortes absurdas em quantidade e na forma como foram escritas, que continuam a suceder rapidamente.

Com direção musical e arranjos do compositor e maestro Nuno Côrte-Real, "It’s Not Over Until The Soprano Dies" conta com um acompanhamento sinfónico da Orquestra Metropolitana de Lisboa

Estelle Valente/Teatro São Luiz

“Com esta peça queríamos alcançar um outro ângulo de visão sobre o papel das mulheres na ópera e termos a experiência de escutarmos estas árias, mas que neste dispositivo passam a ser mais difíceis de ver à medida que tudo se desenrola”, acrescenta o encenador. É uma ópera feminista, sugere, mas não se pretende que a mesma seja panfletária ou vista como uma crítica à ópera como género. “Não é uma desgarrada ou um festival de mortes. Acredito que hoje em dia, com um certo distanciamento, abre-se um espaço mais ambíguo que nos faz refletir sobre estas questões. E não deixamos de nos emocionar, porque muitas destas narrativas são um cânone que se mantêm influente no presente.”

Com direção musical e arranjos do compositor e maestro Nuno Côrte-Real, It’s Not Over Until The Soprano Dies conta com um acompanhamento sinfónico da Orquestra Metropolitana de Lisboa. Sequenciadas numa lógica musical, as árias são cantadas em diferentes línguas, sendo que a peça inclui a legendagem traduzida dos libretos. A certa altura, já perto do final, dá-se lugar a uma marcha fúnebre, ao som de Siegfried Funeral, de Richard Wagner. Há corpos espalhados pelo chão e um tom de lamento que reina. A ópera que permitiu a tantas mulheres serem convictas e radicais nos seus ideais, também lhes reservou um destino terrível. Mas no fim de contas, foram os seus nomes que ficaram na história e que aqui se recordam por fim. Neste caso, é a tragédia que lhes volta a erguer um monumento, porque em boa verdade nada principia ou termina sem as suas vozes.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa