802kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

A peça "The Confessions" está em cena no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, esta sexta-feira (às 21h) e sábado (às 19h). O espetáculo é falado em inglês e legendado em português
i

A peça "The Confessions" está em cena no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, esta sexta-feira (às 21h) e sábado (às 19h). O espetáculo é falado em inglês e legendado em português

RAYNAUD DE LAGE Christophe

A peça "The Confessions" está em cena no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, esta sexta-feira (às 21h) e sábado (às 19h). O espetáculo é falado em inglês e legendado em português

RAYNAUD DE LAGE Christophe

A epopeia de uma mulher: no teatro, Alexander Zeldin conta a história da mãe e uma história do século XX

Autor inglês mostra esta sexta e sábado, no CCB, "The Confessions", uma peça inspirada em conversas com a mãe e que revela o heroísmo da vida mundana: “A premissa do teatro é poder ver o invisível".

“Não sou interessante”, diz uma mulher de cabelos brancos. “Sou uma senhora idosa, o que é que eu tenho de interessante?”. Alexander Zeldin discorda. O dramaturgo inglês, conhecido sobretudo pela trilogia sobre desigualdades sociais — Beyond Caring, Love e Faith, Hope and Charity — tem uma nova peça, o seu trabalho mais focado e pessoal até à data, inspirado na história de vida da sua mãe. Em The Confessions, que se mostra em duas récitas apenas, esta sexta-feira e sábado, no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, em Lisboa, assistimos ao desenrolar da vida de uma australiana, nascida em 1943, que decidiu emigrar para o Reino Unido.

O espetáculo, que abarca oito décadas, começa em 2021 antes de recuar até à juventude de Alice que, pressionada pelos pais, é convencida a casar com um oficial da marinha, quando, na verdade, quer mergulhar na arte e no mundo académico. “Tinha esta ideia de fazer uma vida inteira em palco”, conta Alexander Zeldin ao Observador, dias antes da estreia em Lisboa.

Dada a reputação que foi conquistando desde Beyond Caring (Além da Dor, na versão portuguesa apresentada pela Companhia de Teatro de Almada), em 2014, que o catapultou para o leque de um dos mais entusiasmantes nomes do teatro britânico nos últimos anos, Zeldin poderia escolher qualquer figura para biografar e estrela de cinema para a interpretar. “Toda a gente me dizia, por favor, faz uma peça sobre a prisão, sobre um hospital, ou sobre uma estrela de cinema”, relembra. “Tudo coisas que podia fazer, honestamente.”

Porém, o dramaturgo tinha outros planos: “Queria dar a uma vida comum uma espécie de grande tela. Queria fazer algo muito pessoal e transgressivo”. Isso significaria escrever a epopeia pessoal da sua mãe — mesmo tendo escutado “Quem raio é a tua mãe?”. “Sempre fui muito próximo da minha mãe, mas não sabia muito sobre a vida dela antes de nascer”, admite. Num tempo pandémico em que a fragilidade da vida se impôs sobre todos os temas, entrevistou-a durante quatro dias, numa série de conversas que lhe valeram oito horas de gravações. “Essas entrevistas pareceram-me, de repente, que estavam a traçar o destino de uma mulher que tentava ser ela própria contra o tempo”. No palco do CCB, em duas horas se conta a vida de uma mulher da classe trabalhadora que atravessa o século XX. Mesmo nos seus momentos mais pessoais, The Confessions não deixa de contar a história de um tempo coletivo e das forças que moldaram o nosso presente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Alice é o nome fictício da personagem que dá vida à mãe de Alexander Zeldin, cujo nome o dramaturgo opta por não revelar

RAYNAUD DE LAGE Christophe

“Deixei-a falar”, recorda Alexander Zeldin. Sem perguntas concretas ou um guião estipulado, “as imagens surgiam-lhe como num sonho. Eram essências de situações que se sentiam prontas para estar em palco”. O inglês esculpiou a narrativa com outras entrevistas que fez, a outras mulheres de idades semelhantes, baralhando a realidade e a ficção. “Esta peça flirta com o que é mais íntimo na minha vida. Mas dei-lhe uma forma que é distante. O nome da minha mãe não é Alice. E não digo o nome da minha mãe a ninguém. Esta linha entre a ficção e a realidade é muito interessante para mim.”

O que é real: Alexander foi à Austrália pela primeira vez em vinte anos para seguir literalmente as pisas da mãe. “Fomos pouco a pouco e reencenámos a peça em todos os locais reais. Incluindo o penhasco onde alguém a tenta matar”, desvenda. Isto porque quem espera uma mulher comum será surpreendido com uma história ímpar — só que ímpar como tantas outras, defende o autor. Por exemplo, foi apenas durante o processo de trabalho para a peça que o Alexander descobriu um episódio de abuso sexual. “Voltei aos sítios onde ela tinha sofrido, onde tinha sido feliz. E tentei sentir algo desses sítios”, solta.

O dramaturgo britânico Alexander Zeldin está de volta a Lisboa, mais concretamente ao Centro Cultural de Belém, onde mostra a peça "The Confessions" em duas récitas apenas, nos dias 5 e 6 de abril

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Depois da confissão, “sinto-me um pouco mais livre”

Quando a jovem estudante de história de arte Alice diz que todo “o pessoal é político”, é contestada por um homem arrogante que logo lhe diz que “depende da pessoa”. Questionamos o dramaturgo sobre a passagem. “É um idiota, esse gajo”, diz Zeldin. “Há um pouco dele em todos os homens, infelizmente. Em todas as mulheres, penso eu, também”, lamenta. “Completamente comprometido” com o teatro, o dramaturgo inglês acredita em duas coisas: “acho que a arte nos dá conforto. E faz-nos sentir vistos”, diz, evocando a origem da palavra teatro, que significa “lugar onde se olha” (“theatron”, em grego antigo). “A premissa básica do teatro é poder ver algo que não poderíamos ver de outras forma. Podemos ver coisas invisíveis”, continua. “É como um sentimento ou uma certa verdade que sabemos, mas que não conseguimos dizer até que nos seja dita. E então sentimo-nos vistos e reconhecidos. E este é um sentimento muito profundo de ser um ser humano, de estar vivo. E o teatro é esta tecnologia ancestral, um milagre que ativa isso em todos nós. Quando nos aproximamos do teatro, entramos cada vez mais no teatro da nossa vida.”

A história retratada em "The Confessions" é também um olhar sobre a emancipação feminina e a opressão das mulheres no século XX

RAYNAUD DE LAGE Christophe

“Quero falar sobre arte e como a arte nos ensina a viver”, escuta-se da voz de Alice. “É uma jovem mulher, com toda a gente contra ela, a tentar fazer algo incrivelmente corajoso, a tentar ver por si própria”, comenta o dramaturgo. No fundo, “o teatro consiste em tentar algo. Não é fazer alguma coisa. Se chegarmos ao fim, é aborrecido. Temos de estar sempre a tentar.”

Se as suas peças antecessoras lidam com a dignidade humana, a resiliência, a precariedade, hoje Alexander Zeldin tenta desligar-se da catalogação externa do seu corpo de trabalho. “É simplista, porque essas peças não são só sobre questões sociais”, disse ao jornal The Guardian em 2022. Como olha ele próprio para o trabalho que vem construindo, identifica temas? “Provavelmente diria liberdade, cada vez mais”. “E talvez amor. Amor é importante”.

O mundo é uma sociedade de mentiras e Zeldin quer contar a verdade (mesmo com laivos ficcionados pelo meio), seja no teatro ou no cinema

RAYNAUD DE LAGE Christophe

Uma coisa é certa, The Confessions foi determinante para uma nova página que afasta este autor da gaveta “realismo social inglês” em que era colocado. “Depois de ter feito [esta peça], sinto-me um pouco mais livre. Essa é a verdade… Sinto-me um pouco mais livre”. Evoca a lição do seu mentor, Peter Brook, de quem foi assistente. “Ele costumava dizer-me: ‘Quando chegamos ao topo de uma montanha, apercebemo-nos de que há outra’. E é verdade.”

Qual será a próxima montanha de Zeldin? Na parede da cafetaria do CCB, o seu olhar pousa sobre o cartaz de Vitalina Varela (2019), filme do cineasta português Pedro Costa de quem o dramaturgo admite beber influências. Cita Ossos (1997), que descobriu há “10 ou 15 anos”, e que foi “um grande abanão”. “Há uma dignidade da imagem que é pictórica. E há uma relação com o tempo que é muito original. Isso cria uma espécie de sentimento interior… Há um olhar que não é só o olhar deles. É a forma como ele [Pedro Costa] olha. Sou muito inspirado pela forma como ele filma pessoas. É com muita empatia e muita verdade. Encontrou uma forma que é real. Não está a mentir.”

Alexander Zeldin diz ser fortemente influenciado pelo cineasta português Pedro Costa: “Sou muito inspirado pela forma como ele filma pessoas. É com muita empatia e muita verdade"

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O mundo é uma sociedade de mentiras e Zeldin quer contar a verdade (mesmo com laivos ficcionados pelo meio), seja no teatro ou no cinema. Sobre este último, admite: “Estou a tentar”. Este mês, mostra na Schaubühne — onde é o “artista em foco” no festival de teatro dedicado a novas dramaturgias —, em Berlim, a adaptação fílmica da sua peça Love (que passou pela Culturgest em 2021). “Acho que [o filme] é um fracasso honroso, para ser sincero”, diz com um sorriso ao Observador. Mas Zeldin tem uma ideia para uma longa-metragem que já está a preparar entre França e Inglaterra. Sobre isso pouco se descose, culpando apenas a morosidade e “impaciência”. “O cinema é novo para mim. Acho que preciso de mais tempo para saber o que quero dizer no cinema. Ao passo que no teatro… há muitas coisas que quero dizer.” Em outubro, no National Theatre, em Londres, haverá uma nova peça para ver.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa