1. Benfica. 36 títulos, os melhores 36 jogadores
    14 Maio 2017250
    Com base em jogos, golos, títulos e internacionalizações, elegemos os 36 jogadores com mais impacto na história do Benfica no campeonato nacional, desde 1935 até aos nossos dias
    Utilize as setas do teclado
    Rui Miguel Tovar
  2. Cosme Damião

    1907-1916
    Jogos 67 Golos 8
    Aluno do Casa Pia, é um dos 24 fundadores do Sport Lisboa, em 1904. Além de fundador, é também jogador, capitão, treinador, dirigente mais jornalista (só não é presidente porque não quer). Reconhecido como o homem mais importante da instituição no primeiro quarto de século

  3. Espírito Santo

    1936-1941 e 1943-1950
    Jogos 207 Golos 147
    Ninguém marca mais que ele: nove nos 13-1 ao Casa Pia, em Dezembro 1937. Para não deixar dúvidas, o grande enorme Peyroteo escreve sem rodeios: "Espírito Santo é muito melhor jogador do que eu." Além disso, é também campeão nacional do salto em altura e triplo salto

  4. Francisco Ferreira

    1938-1952
    Jogos 399 Golos 35
    Nascido em Guimarães e criado no Porto (até aos juniores do FCP), só se faz jogador em Lisboa. Capitão do Benfica por nove épocas, estreia-se e despede-se com o Sporting. No adeus, até levanta a Taça de Portugal, conquistada numa épica final com nove golos (5-4)

  5. Julinho

    1942-1953
    Jogos 200 Golos 202
    Não, não é nenhum erro. E sim, ele tem mais golos que jogos. Uma barbaridade. Ou não fosse ele o mais ilustre do quinteto atacante conhecido como os diabos vermelhos, em que contracena com Mário Rui, Arsénio, Espírito Santo e Rogério

  6. Rogério Pipi

    1942-1954
    Jogos 314 Golos 205
    Ainda hoje (e sempre) é o recordista de golos em finais da Taça de Portugal: 15 distribuídos por seis vitórias. Um belo dia, um alfaiate famoso de Lisboa convida-o para posar e aparece na revista Flama. O capitão Francisco Albino aproveita a deixa e chama-o Pipi. A alcunha permanece

  7. Arsénio

    1943-1955
    Jogos 298 Golos 220
    Admirador do avançado portista Pinga, é assim que lhe chamam nas ruas do Barreiro quando brinca com Vasques (um dos Cinco Violinos) e outros meninos. Marca cinco golos ao FCP na inauguração das Antas e levanta seis Taças de Portugal, com mais cinco golos à mistura

  8. José Águas

    1950-1963
    Jogos 384 Golos 379
    Capitão do Benfica bicampeão europeu, marca um golo em cada final, vs. Barcelona e Real Madrid. Ponta-de-lança clássico e elegante, com excelente jogo de cabeça, é cinco vezes o melhor marcador do campeonato nacional

  9. Coluna

    1954-70
    Jogos 525 Golos 127
    Tal como José Águas, também Coluna marca nas duas gloriosas finais europeias, vs Barça e Real. A maioria trata-o por capitão. Para Eusébio, é o mais velho. Tímido e duro de roer, não precisa de levantar a voz nem da braçadeira à volta do braço para ser o líder de balneário

    Foto: Getty Images
  10. Cavém

    1955-1969
    Jogos 420 Golos 104
    Em 1961, antes da final europeia com o Barça, "apareceu-me nos sonhos uma figura simpática a aconselhar-me a não cortar a barba caso quisesse ganhar a taça." Dito e feito, 3-2. No ano seguinte, a mesma figura ensina-lhe a marcar Di Stéfano. Outra taça, 5-3. Com a barba por fazer

  11. José Torres

    1959-1971
    Jogos 259 Golos 226
    O bom gigante, assim alcunhado pela altura elevada (1,92 m) e pelo fair-play, é contratado por Otto Glória em 1959 e só se impõe em 1962, com a saída de José Águas. Na época de estreia a titular, é o melhor marcador do campeonato nacional

  12. José Augusto

    1959-1970
    Jogos 369 Golos 175
    Dá nas vistas no Barreirense e assina pelo Benfica. Gabriel Hanot, célebre célebre jornalista francês do L'Équipe, considera-o o melhor extremo direito europeu, depois da sua grande exibição na Dinamarca (Aarhus, 4-1), em 1961. É alcunhado de Garrincha português

  13. Eusébio

    1960-1975
    Jogos 440 Golos 473
    Impedido por Salazar de se transferir para Itália, sob o pretexto de estar classificado como "património nacional", Eusébio acumula grandiosidade: 11 vezes campeão nacional (recorde), 5 Taças (com 7 golos nas finais) e é o herói da final da Taça dos Campeões 1962 (bis ao Real)

    Foto: AFP/Getty Images
  14. Simões

    1961-1975
    Jogos 449 Golos 72
    Entra para o 11 de Guttmann aos 18 anos, a aproveitar a ausência de Cavém (expulso na jornada anterior, em Aveiro), e nunca mais de lá sai. Como porta-voz das reivindicações salariais, chega a capitão de equipa sem esforço. E depois à comissão do Sindicato dos Jogadores em 1972

  15. Toni

    1968-1981
    Jogos 391 Golos 23
    Lutador incansável em campo, é um exemplo humano de generosidade e fair-play que dificilmente encontra paralelo na tribo do futebol. De resto, é só o único benfiquista campeão nacional como jogador (8) e treinador (2). E é o único a levantar a Taça na dupla função

  16. Nené

    1968-1986
    Jogos 574 Golos 359
    Acusado de nunca sujar os calções, paradigma de quem não se esforça o suficiente, responde aos pseudo-entendidos do Terceiro Anel com golos e mais golos. Ao ponto de ainda hoje ser o terceiro melhor marcador do clube, só atrás de Eusébio e José Águas. E o segundo com mais jogos

    Foto: LUSA
  17. Humberto Coelho

    1968-1975 e 1977-1984
    Jogos 498 Golos 81
    Central mascarado de avançado, é uma referência no Benfica e em todo o país como quinto defesa goleador da história europeia da 1.ª divisão. Em Agosto 1968, Otto Glória lança-o na digressão da pré-época e aí confirma qualidades com uma marcação exemplar ao rei Pelé (Santos)

    Foto: LUSA
  18. Artur Jorge

    1969-1975
    Jogos 130 Golos 105
    Brilha no curso de Filosofia e nos relvados, como goleador da surpreendente Académica (2.º lugar em 1967). Assina pelo Benfica e comete a proeza de ser o melhor marcador da equipa, à frente de Eusébio, em duas épocas seguidas (1971 e 1972)

  19. Artur Correia

    1971-1977
    Jogos 161 Golos 3
    Campeão de juniores no Benfica, vai estudar medicina para Coimbra. Três épocas depois, é-lhe impossível reconciliar os estudos com o futebol (Académica). Opta pela bola e volta para o Benfica. Depois, Sporting. No jogo do adeus, Toni define-o: "O único jogador do Sporting à Benfica"

  20. Bento

    1972-1990
    Jogos 465 Golos 307
    Substitui Yashin, ausente à última hora, na despedida de Coluna em 1970 e surpreende toda a gente. Sai do Barreirense para o Benfica em 1972 e só se torna titular indiscutível em 1976, no lugar de José Henrique. Só larga a baliza em 1986, com a lesão no Mundial do México

  21. Jaime Graça

    1966-1975
    Jogos 229 Golos 29
    O Benfica vais buscá-lo ao Vitória em pleno Mundial-66. Na Luz, salva a sua vida mais as de Eusébio e Malta da Silva quando corta a electricidade durante um curto-circuito numa sessão de hidromassagem na Luz, que vitima Luciano. Marca o golo ao United na final da Taça dos Campeões 1968

  22. Shéu

    1972-1989
    Jogos 487 Golos 45
    Mais um produto africano, este captado por José Augusto durante um jogo treino com o Sport Lisboa e Beira, em Moçambique. Marca na final da Taça UEFA 1983, ao Anderlecht, e é o capitão de outra final europeia, a da Taça dos Campeões 1988, com o PSV. Master

    Foto: LUSA
  23. Chalana

    1975-1984 e 1987-1990
    Jogos 310 Golos 47
    Chumba nos treinos de captação da CUF e vai para o Barreirense, onde só faz seis jogos. Assina pelo Benfica, aos 17 anos de idade, e é um ver se te avias. Quando arranca, o estádio todo levanta-se à espera de um golpe de magia. Ora com o pé direito, ora com o esquerdo

    Foto: LUSA
  24. Carlos Manuel

    1979-1988
    Jogos 320 Golos 58
    Salta da CUF para o Barreirense, como Chalana, e assina pelo Benfica. Na Luz, é lançado por Mário Wilson e endeusado pelo Terceiro Anel pelas inegáveis capacidades técnico-tácticas-física-e-mais-alguma-coisa. Joga e marca. É dele o golo ao Porto na final da Taça 1983, nas Antas

    Foto: LUSA
  25. Diamantino

    1979-80 e 1982-1990
    Jogos 306 Golos 83
    É o amigo de Carlos Manuel, dentro e fora do campo. Entendem-se às mil maravilhas, a partir do momento em que Eriksson os junta. Oito épocas seguidas garantem-lhe muitos títulos e uma só tristeza: a lesão que tira da final da Taça dps Campeões 1988, com o PSV

  26. Veloso

    1980-1995
    Jogos 538 Golos 9
    O penálti falhado com o PSV, na final da Taça dos Campeões 88, só lhe dá ainda mais força para continuar a cair na boa graça dos adeptos benfiquista. Em 15 anos na Luz, sete deles como capitão. Ora à direita, ora à esquerda, é um lateral temível e nem Asprilla se atreve a ultrapassá-lo

    Foto: LUSA
  27. Rui Águas

    1985-1988 e 1990-1994
    Jogos 237 Golos 103
    Carrega a herança pesada do apelido (o pai José é o capitão do Benfica bicampeão europeu) e dá a volta ao texto com uma categoria assinalável. Atira-se de cabeça para a fama e consegue três campeonatos, três taças mais um título de melhor marcador em 1991

    Foto: LUSA
  28. Paneira

    1988-1995
    Jogos 289 Golos 44
    A finta é assim ò: atira-se para um lado e vai para o outro. Seja quem for o adversário, esta jiga-joga é sucesso garantido para o habilidoso número 7. A eficácia garante-lhe a admiração dos adeptos, até quando falha um penálti com o Parma, na 1/2 final da Taça das Taças em 1994

    Foto: LUSA
  29. Rui Costa

    1991-1994 e 2006-2008
    Jogos 177 Golos 29
    Nascido e criado na Luz, elege a Fiorentina como futuro em vez do Barça de Cruijff. Então? Os italianos pagam mais que os espanhóis ao Benfica. Amor. No regresso a casa, faz-se capitão, já depois de ter chorado nos festejos de um golo pela Fiorentina ao Benfica. Amor. Puro.

    Foto: AFP/Getty Images
  30. João Pinto

    1993-2000
    Jogos 302 Golos 90
    No Verão 1993, o Sporting de Cintra alicia-o. Nada feito, Jorge de Brito consegue mantê-lo na Luz e o Benfica é campeão com aquele 6-3 em Alvalade, onde JVP assina um hat-trick. Seis épocas e dois presidentes depois, a amarga dispensa a cargo da dupla Heynckes-Vale e Azevedo

    Foto: Getty Images
  31. Preud'homme

    1994-1999
    Jogos 199 Golos 184
    O primeiro guarda-redes estrangeiro do Benfica é, de longe, a melhor contratação da era Artur Jorge. Completo em todos os sentidos, chega à Luz aos 34 anos de idade na plenitude da forma física. Salva vezes sem conta o Benfica do embaraço e sai com a Taça de Portugal 1996

    Foto: Getty Images
  32. Nuno Gomes

    1997-2000 e 2002-2011
    Jogos 397 Golos 165
    Nome completo? Nuno Miguel Soares Pereira Ribeiro. Então e o Gomes? Por uma questão de empatia e admiração pelo bibota d'ouro do FCP, passa a ser o Nuno Gomes. O nome fixa-se. Tal como o estilo e a eficácia. Dentro da área, é rei. Fora dela, um assistente de primeira

    Foto: AFP/Getty Images
  33. Simão

    2001-2007
    Jogos 230 Golos 93
    Capitão no ano do título de campeão em 2005, com Trapattoni, o extremo é capaz da maior maravilha com aquele pé direito desde livres directos até pontapés acrobáticos. O seu reportório é extenso e vale muitas alegrias ao Benfica, como a conquista da Taça de Portugal 2004 ao FCP

    Foto: AFP/Getty Images
  34. Cardozo

    2007-2014
    Jogos 292 Golos 173
    Melhor marcador do campeonato em 2010 e 2012, também é o campeão dos penáltis falhados na 1.ª divisão, com oito (à frente do bibota d'ouro Gomes, do FCP). A sua relação com os adeptos é de amor-ódio e o pé esquerdo resolve alguns atritos

    Foto: Jamie McDonald/Getty Images
  35. Luisão

    Desde 2003
    Jogos 510 Golos 45
    O Benfica festeja o sexto título de campeão nacional do século XXI e adivinhe lá quem é o único elo de ligação entre todos eles? Esse mesmo, o capitão. Lançado por Camacho, marca na estreia, vs Belenenses (3-3 no Jamor). Daí para cá, um fartote de golos decisivos e títulos

    Foto: Getty Images
  36. Maxi

    2007-2015
    Jogos 330 Golos 20
    Quando aterra na Luz, é um médio direito de qualidade assim-assim. Transforma-se então num valioso lateral-direito, cheio de garra e atitude, características que lhe garantem a braçadeira na ausência de Luisão. Sai para o Porto no Verão 2015

    Foto: AFP/Getty Images
  37. Jonas

    Desde 2014
    Jogos 109 Golos 85
    Marginalizado em Valencia, então treinado por Nuno Espírito Santo, o brasileiro ocupa o lugar de goleador de Cardozo com uma categoria indisfarçável. Na primeira época, 31 golos. Na segunda, 36 (mais o título de melhor marcador do campeonato). Este ano, a conta gotas, marca 18

    Foto: AFP/Getty Images

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)